22/01/2019

Anti Groucho Marx



Viseu é, por força de diversas circunstâncias, a mais pesada das quais a sua história, uma cidade conservadora composta essencialmente por gente que defende valores tradicionais como a honra, a modéstia e a amizade. Mas Viseu também tem as suas figuras, aqui nados ou aqui politicamente instalados com a família e tendem a deixar marca, ou seja, Viseu marca. Por estes dias tem sido causa de falatório o nosso anti-Groucho Marx.  Mas, perguntarão então, quem é esta figura? Já lá chegaremos! Ora, Groucho Marx afirmava que nunca faria parte de um clube que o aceitasse como sócio. O "nosso" Anti-Groucho faz toda a questão em pertencer a um clube que não o deseja como sócio. Vem isto a propósito do que se tem desenrolado nos salões do Clube de Viseu, instituição meritória frequentada por Viseenses com todos os predicados acima mencionados.

Vamos à história. Jorge Sobrado, portuense de nascimento, evangélico de religião, vereador por nomeação, ambicioso por feitio, paraquedista politico em Viseu, tem por mais recente desiderato ser sócio do Clube de Viseu.

O Clube de Viseu, espaço reservado a sócios (e seus convidados) manifestou de forma expressiva, através da Direcção, o seu desejo de não receber Jorge Sobrado na condição de um dos seus. Se as gentes da cultura viseense, que pouco o apreciam, o têm de receber por obrigação profissional, as gentes do clube não sentem essa necessidade e querem como sempre, separar politica de associativismo como tem sido timbre daquela secular instituição.

No entanto, o Presidente de facto, Jorge Sobrado, não é homem de aceitar um não e a sua ambição politica não lhe permite uma existência modesta. O homem desceu do Porto a Viseu com a missão de iluminar a vida e salvar a alma, através das suas citações bíblicas e culturais, a todos os Viseenses. Vai daí apoiado por um interessado causídico conhecido da cidade, a quem alguma escondida agenda ou porventura outra relação especial obriga a tal compromisso, faz nova investida tentando forçar a sua entrada triunfal no Clube, obrigando a que numa Assembleia Geral Extraordinária os sócios se pronunciem sobre a inquestionável decisão da Direcção. 

Mas o que leva um homem a querer pertencer a uma agremiação que o recusa? Será uma questão de baixa autoestima ou apenas ambição desmesurada aliada a um projecto de poder pessoal assente no cargo político que ocupa (movendo-se entre as gentes da política, da cultura e das associações)?

Por outro lado, o que leva a aceitar tão persistente apoio, embora minoritário, entre um núcleo de sócios do clube contra a vontade da larga maioria e depois de vetado numa primeira instância? Para quem não tem vergonha todo o mundo é seu.

Por fim, a actual direcção do clube, que ao que consta já terá sido alvo de pressões e ameaças por parte do candidato e do proponente, e os restantes sócios não se sentirão desautorizados em caso de adesão do "nosso" candidato a membro? Se de facto se importa tanto com o bem estar e qualidade de vida dos viseenses como afirma nas suas verborreias e repetidas imersões culturais não o preocupa que, com a sua adesão, o Clube ganhe um associado e perca uma dezena dos antigos consócios?

A verdade é que os sócios, como bons Viseenses, numa atitude tipicamente beirã dificilmente deixarão passar em claro uma situação destas. Dia 31, os sócios do Clube devem dizer claramente se mantêm as tradições e o ponto de honra dos estatutos de que “é expressamente proibido a realização de reuniões ou manifestações de qualquer tendência ou significado político ou religioso” ou se, pelo contrário, aceitam que a próxima sede de campanha de Jorge Sobrado seja aquela que ontem foi sede do "Grémio de Viseu" e hoje é do "Clube de Viseu". Eu, por mim, não tenho dúvidas!


A vaidade tem que se lhe diga!


Se Groucho Marx nunca faria parte de um clube que o aceitasse como sócio o Presidente Sobrado faz questão em pertencer a um clube que não o quer como sócio.

João de Almeida, viseense e músico!

18/01/2019

Momento de música clássica!


Este video data de 2012, ano em que João Cotta assumiu a AIRV para um último mandato. Último mandato? É evidente que não pois, voltou à Associação e certamente que não será para acabar a obra mas tão só para renovar promessas antigas! 

Resumo do Conselho Nacional


Almeida Henriques und Pedro Alves, sage mir, mit wem du umgehst, so sage ich dir, wer du bist!

#10yearscitychallenge


15/01/2019

Vamos ver se é desta que o IPV avança!

O IPV tem novos órgãos de gestão. Não confundir com tem uma gestão nova!

Retrato da governação e oposição!


Nós, Cidadãos!

Se estão com tempo e paciência vão ao Google e pesquisem PJ Câmara Municipal de Oliveira de Frades. Já está? Agora, tranquilamente leiam os últimos parágrafos. Ficaram tão surpreendidos quanto eu? Pois, eu também não!

A teoria e a prática!

"Enquanto presidente do Município de Viseu, não calarei essas marcas, nem o dever superior de dar voz às pessoas e ao território que democraticamente represento. Viseu terá uma voz liderante na região e influente no país.
Uma voz “em rede” com os municípios com quem forma uma Comunidade e uma Região."
Agora, para perceberem melhor o alcance e veracidade da afirmação cliquem aqui! Estamos entendidos?

14/01/2019

O responsável tem nome!



A falta de manutenção e a má gestão da Ecopista, uma das infraestruturas melhor conseguidas durante a gestão de Fernando Ruas preenche mais uma vez as capas dos jornais locais.
Por lá, encontra-se um pouco de tudo. Fui lá constatar com os meus olhos e desde desmoronamentos de barreiras, terras acumuladas no pavimento, entulho de obras, pedras na pista, carros estacionados na pista, pavimento destruído ou em péssimo estado de conservação, sinalização vandalizada, túnel de Farminhão sem iluminação... de Tondela a Viseu a infraestrutura está uma lástima e Sta Comba acaba no meio de um caminho...
Fica a sensação que os responsáveis pela gestão da ecopista do Dão não têm qualquer noção do que ali se passa, quem são os seus utilizadores e que tipo de utilização fazem da mesma. Não sabem, por exemplo, que alguém em cadeira de rodas não passa em algumas zonas ou que um utilizador dificilmente com patins em linha pode fazer uso da pista com os buracos existentes no piso ou com o lixo e areia ali espahados, apenas para enunciar alguns dos muitos problemas verificados.

Acontece que este assunto não é de agora e a responsabilidade por tal incúria e desleixo é bem clara e manifesta no Regulamento no seu artigo 2º, de modo, que Sr Dr Martinho, levante lá o dito da cadeira, deixe lá o aquecedor do gabinete e veja se, pelo menos nesta matéria, justifica o seu ordenado!

13/01/2019

Desigualdade a quanto obrigas!


Imaginar o deputado socialista António Borges a perorar sobre as desigualdades na Europa encontra equivalente na ideia de um pastor de Cinfães a reflectir sobre o cosmos.
Isto ainda vai servir para justificar o nome desta luminária na lista dos candidatos a Bruxelas.

12/01/2019