26/03/2019

Mestria de ontem e de hoje!


Diz o ditado que não se deve voltar ao local onde se foi feliz, mas se o tema é felicidade na cidade onde a Paula Teles (aka Rampas) só em estudos facturou mais de 150 mil euros porque não quebrar a regra? 




21/03/2019

Falar verdade!


A humildade é uma das qualidades que mais aprecio num politico porque essa é também a medida do seu carácter enquanto pessoa. Um autarca dizer: "vamos ter dois mini autocarros eléctricos no centro histórico" não é o mesmo que "vamos continuar com os mini autocarros eléctricos do tempo de Fernando Ruas no centro histórico". Uma coisa é a propaganda que resulta dessa falta de humildade, outra é a verdade politica que só os grandes cultivam!

20/03/2019

Vamos esperar para ver!

Curioso e expectante quanto ao novo sistema de mobilidade concelhio. As novidades afirmadas são interessantes e à partida constituem uma significativa melhoria para os viseenses. A lógica do transporte público agora parece ser a do subsidio do passe social. Não estou interessado em ir para determinado local, a uma determinada hora (única), num determinado veículo que demora demasiado tempo mas o Executivo vem e oferece o subsidio, ou seja, na prática acabo por ter serviço igual mas mais barato. Será assim que se incentiva a procura? É sustentável este modelo? É este o caminho para tirar os carros da cidade? Vamos acreditar nisso! Viseu merece tanto como Lisboa!

19/03/2019

Smart but not intelligent.


O autarca que em 2017 anunciou para os transportes citadinos um "sistema que é único, que é inédito, e que tem uma componente de inovação fortíssima" é o mesmo que pela módica quantia de 300 mil euros mandou instalar estas antiguidades?

Imaginem o efeito desta "inovação" no rigor do inverno ou no pico do verão e se ainda tiver tempo aproveite, caro leitor, e veja aqui um exemplo do que já se faz aí pela Europa

18/03/2019

O pior cego é o que mascara a realidade!


Modéstia à parte mas, tempos idos, por um humor bem mais refinado que este Ruas sentiu-se ofendido

Que dirá agora Fernando Ruas de quem de forma tão acintosa o apouca de cego?

15/03/2019

Comprem senhores, comprem!


Qual João Félix, qual quê? Embaixador de Viseu na BTL nem todos merecem ser!

A sério?

Mais uns que não conhecem a incubadora Vissaium!


"(...) o mais difícil foi a procura de emprego..."

Voltei e vou andar por aí!


Fernando Ruas está definitivamente a dias de arrumar o cartão de milhas aéreas das viagens entre o Campo de Aviação da Muna e o Aeroporto Internacional de Zaventem. Com Rui Rio a deixá-lo de fora das listas por troca com outro dinossauro, de categoria bem inferior a Ruas, vários cenários serão possíveis depois de Maio. O ex-autarca e destacada figura nacional, com quem tive tantos desencontros políticos que motivaram outros tantos dissabores, é inegavelmente um valor para a política nacional e principalmente regional. Depois da reforma dourada bem merecida por Ruas em Bruxelas será tempo agora de:
- Assumir a tempo inteiro a função de avô como há dias ainda com reconhecida alegria o manifestava na sua página oficial. Ruas, reconheça-se sem hipocrisia, arrasta consigo um capital de cidadania irrefutável bem como de homem de família hoje com netos lindíssimos. Julgando conhecê-lo diria que apesar dos seus 70 anos Ruas não se esgota na família. Tem ainda motivação suficiente para fazer uma perna na política e outra na bicicleta com os netos na ecopista até Farminhão.
- Assumir a liderança da lista de deputados às legislativas pelo PSD distrital. Nas circunstâncias actuais esta seria a melhor aposta dos sociais democratas. Divididos pela última campanha entre Rio e Santana, desmotivados pela prestação expectável do substituto de Ruas e com uma distrital malquista pela direcção nacional laranja Ruas é ao que se conhece o único aglutinador de vontades e de militância que faça com que o PSD mantenha o mesmo número de deputados em lisboa. Uma outra aposta fará com que a militância se divida entre os partidos da direita com vantagem para o PS.
- Aparecer em força na Aliança o que se afigura mais difícil pois Ruas nunca foi político de romper compromissos pese o facto de a Aliança Viseu ser o holograma da sua liderança com o fiel Pedro Escada à cabeça e o sobrinho Pedro Ruas na peugada. A Aliança, contudo, nestas circunstâncias será sempre uma saída e mais que isso um aliado seguro para Ruas, caso as legislativas venham a funcionar como trampolim para a Praça da República de novo.
Seja como for, neste momento a inquietação maior não é de Fernando Ruas!

Haja orçamento!