17/12/2004

Afinal o monstro vai abaixo ou não?

Dá Deus nozes a quem não tem dentes...

O recital de piano do Pedro Burmester realizado na Aula Magna do ISPV foi, no meu modesto entender, um momento alto da cultura natalícia, cá do nosso burgo... Este Pedro é um artista! Mas, confesso que tive alguma dificuldade em apanhar a sonoridade dalguns trechos porque alguns dos espectadores teimaram em acertar o tom dos telemóveis pelo piano! E, já agora, aproveito para deixar ao excelente anfitrião que foi o Dr Antas de Barros a ideia que no próximo concerto coloque no palco um animador com dois cartazes: Agora, PALMAS!!!! e o outro a dizer, Por favor, SILÊNCIO!


pedro o burgomestre das teclas

Indo eu, indo eu... a caminho de Viseu

Assim reza a canção... mas essa é muita conhecida! Para os que ainda não conhecem a letra do "hino" dos viseenses, aqui fica a letra de Viseu, Srª da Beira.

Parte I

Viseu, Senhora da Beira,
Eternamente bonita,
Fidalga e sempre romeira,
De uma beleza infinita!

Numa das mãos um rosário,
Na outra o fuso a bailar;
Ao longe a voz do
Hilário
Cantando um fado, ao luar.

Refrão:
Viseu, linda cidade museu,
Onde Grão Vasco nasceu,
Um génio de pintor nato.

Alvor, do lusitano valor
Desse general pastor
Que se chamou Viriato.

Parte II

Viseu, das serras erectas,
Com seus castelos roqueiros;
És musa de alguns poetas,
Como foi Tomás Ribeiro.

Ai como eu gosto de vê-la,
Branca de neve e até
Sulcando a Serra da Estrela
De tamanquinha no pé.

14/12/2004

Uma nova centralidade...

O Solar do Dão, em Viseu, foi o local escolhido pelo Conselho Empresarial do Centro (CEC) para a tomada de posse do Conselho Consultivo da Câmara de Comércio e Indústria do Centro. Segundo o presidente do CEC, Almeida Henriques, trata-se de «um passo de gigante para a construção de uma nova centralidade para o país» ao juntar num só órgão forças até agora dispersas e que agora se unem em prol da região Centro.
Constituída por 71 entidades - 53 empresas, 13 municípios, três universidades e dois institutos politécnicos - esta entidade, apresentada ontem em terras de Viriato, servirá de «plataforma de desenvolvimento económico da região», explicou Almeida Henriques, adiantando que será «um espaço simultaneamente de definição estratégica e de assunção reivindicativa».Entre os objectivos deste conselho estão ainda a monitorização do desenvolvimento regional, «apoiar iniciativas e liderar projectos que permitam reforçar as capacidades competitivas endógenas do Centro de Portugal», como o presidente do CEC, fez questão de explicar durante a sua intervenção.
In Diário Regional de Viseu, Terça-feira, 14 de Dezembro 2004
http://www.diarioregional.pt/1900.htm
É assim, com iniciativas destas que se afirma uma região e as suas gentes. Apetece-me aplaudir o empreendorismo e a capacidade de sonhar grande do CEC. Oxalá a sorte bafeje este projecto, ainda que a sorte dê muito trabalho...

13/12/2004

Um olhar atento...

Caro antepassado, aqui me encontro no mesmo local onde no meu tempo, se cruzavam importantes vias romanas! Hoje cruzam-se aqui vontades, desejos, esperança de progresso, de melhores condições de vida para as gentes do interior e da nova GAMVIS ... diz-me que achas que daqui posso observar hoje?

Daqui vos observo...!!!


Viseu linda Cidade Museu...

Viseu , Cidade Jardim, linda Cidade Museu, como reza a canção, foi berço de um dos maiores artistas portugueses do século XVI: Grão Vasco (1475-1540), que dá nome a um museu, um hotel e até uma marca de vinho. O museu, instalado no antigo paço episcopal, exibe algumas das suas obras-primas e quadros de outros pintores da época da escola de Viseu.Os visitantes podem ainda admirar a Porta do Soar de Cima, aberta na cerca afonsina do século XV ou a catedral do século XVII, com as suas torres gémeas. Esta encantadora cidade antiga exibe um labirinto de ruelas onde ainda se podem descobrir janelas manuelinas, velhas oficinas de latoeiros e curiosas lojinhas baixas. Todas as terças-feiras, a cidade fervilha com o mercado, mas em Agosto e Setembro a feira prolonga-se por todo o mês e atrai milhares de visitantes. Através do concelho, inúmeras aldeias pitorescas ainda conservam as suas casas com as características varandas em madeira, e belos solares erguem-se nas quintas. Viseu é conhecida pelos seus óptimos restaurantes, onde pratos tradicionais portugueses são servidos em grande variedade e abundância.
Capital de Distrito, situada em plena Beira Alta, teve a sua origem numa povoação situada no cimo do monte onde se situa a Sé. Já durante a ocupação romana era a capital de um grande território. Hoje lidera um projecto ambicioso galvanizador de gentes, de vontades e de desejo de melhor qualidade de vida, a GAMVIS (Grande Área Metropolitana de Viseu). É sobre este Centro Liderante, sobre esta encruzilhada de gentes e vontades que devemos abrir os portões do desafio do futuro! Que acham que vai acontecer?

um olhar sobre a cidade

Viseu e Viriato

Actualmente, quase todos os historiadores rejeitam a tese de um Viriato nascido e criado nas montanhas. Os traços da sua personalidade, recolhidos a partir de relatos de obras históricas, apresentam-o como um homem sóbrio, enérgico, justo e fiel à palavra dada, desprezando o luxo e o conforto e, sobretudo, como um excelente estratega militar, levam-nos a concluir que se tratava do indiscutível chefe militar dos lusitanos e defensor da liberdade.
Viriato foi o primeiro lusitano no comando de um corpo de guerreiros, composto por pessoas de diversas tribos e durante os oito anos que duraram as suas campanhas de luta não houve nenhum caso de insdisciplina entre as suas tropas, facto surpreendente num "exército bárbaro" como diziam os romanos.
A sua morte traicoeira significou o fim da resistência à lei romana que acabaria por impor-se em toda a Peninsula Ibérica.
Os vestígios de um acampamento romano, localizados em Viseu, podem corresponder ao que Décimo Júnio Bruto Calaico fundou no ano de 183 a.C. e é conhecido como Cava de Viriato.
Deste herói escreve Valdeavellano na sua História de España, I (1955): "Viriato é uma personalidade forte, o filho de uma raça livre (...), a sua glória (é) a dos heróis populares, em que se encarna o povo mesmo com as suas qualidade e defeitos."
Por cá os Portugueses e muitos viseenses teimam em retratá-lo como um pastor assaltante!... Razão da nossa caracteristica tendência para o miserabilismo ou apenas desconhecimento da história pátria???

retrato da morte de viriato