19/04/2005

Pedimos desculpa pela interrupção...

O que tem que ser tem muito força... Não estranhem a falta de posts estes dias mas tenho que fazer uma revisão ao esqueleto! Há já para aqui umas peças a precisar de substituição e vou ver se o "S. Teotónio" me assiste. Prometo voltar breve e cheio de genica. Até lá, vão deixando aqui as vossas criticas e ideias, ok? A malta agradece e o programa segue dentro de pouco tempo...

Solidariedade? Já lhe vi chamar muita coisa...

O JLA escreve no seu ViseuOnline que "afinal o futebol ainda é solidário" e isto porque o jantar de apoio ao CAF, de angariação de fundos promovido pelos jogadores do plantel do Académico, juntou mais de 300 pessoas. O repasto serviu para homenagear João Manuel e para atenuar as dificuldades financeiras porque passam os jogadores e minimizar os efeitos dos quatro meses de salários em atraso. Os responsáveis da Sociedade Anónima Desportiva do Académico de Viseu ficaram satisfeitos com a iniciativa levada a cabo pelos jogadores, diz ainda a noticia e aqui não posso deixar de sorrir, perdoem a ironia. A iniciativa não deveria ter sido da SAD? São agora os jogadores a salvação financeira dos erros de gestão do Clube? Adiante... O treinador Vitor Manuel foi um dos presentes no repasto. «A minha presença significa fazer parte de um evento importante, num clube que atravessa algumas dificuldades. O Académico é um clube secular e de prestigio, numa região onde se gosta muito de futebol e tenho a noção de que Viseu tem paixão pelo jogo», referiu que ainda se lembra «no tempo em que jogava e que o Fontelo apresentava 15 a 20 mil pessoas». Pois foram bons tempos mas lembro que ainda hoje o Estádio enche se for um jogo dos "grandes", os do CAF, enfim, não têm lanche nem jantar... Para angariação de fundos foram leiloadas camisolas oferecidas por alguns dos jogadores das grandes equipas nacionais e não só como foi o caso do Deco (Barcelona), ofertadas propositadamente ao Académico para esse efeito. A camisola de Nuno Gomes foi a que mais rendeu (310 Euros). Aqui está a ajuda excepcional! E, vêm-me à cabeça nomes de pessoas influentes e que já foram até membros da SAD, dos corpos sociais do Clube, nomes de empresários e outros figurões cheios de massa e não dão mais que 300 € no apoio ao Clube? Mas que grande solidariedade! Tipo é pouco mas de boa vontade, topam? A noticia dizia ainda que uma delegação da Câmara Municipal, chefiada por Fernando Ruas, e ainda o próximo candidato socialista à presidência da autarquia, Miguel Ginestal, além de outras figuras da vida viseense e nacional, marcaram presença e mostraram que estão com o clube. Nem comento! Ah Rui Rio, como te compreendo!... Mas, em resumo fica claro que para comer o pessoal está sempre disponivel! Esperem pela 2ª parte e logo verão qual é o resultado final... e acreditem que bem me custa ter este prognóstico!

18/04/2005

Curiosidades

As ruas da nossa cidade estão aqui... Ora vejam:
http://www.multimap.com/wi/3804.htm

Viseu Digital ou Virtual?

Já aqui há tempos coloquei um post sobre os sites institucionais das Câmaras da região, em especial da GAMVIS e meses depois, o panorama é em tudo semelhante, sites em construção permanente ou em desenvolvimento há séculos, outros inexistentes e salvo raras exepções "o choque tecnológico" ainda não chegou ao poder local. E, já nem falo dum qualquer pedido feito às Juntas de Freguesia por email... aí então a coisa é mesmo realidade virtual! Bem podem esperar como aquele anuncio da TV!
Por isso, foi com interesse que encontrei na net um projecto chamado VISEU DIGITAL que faz parte do programa Cidade e Regiões Digitais. Dizem os promotores (Lusitânia – Agência de Desenvolvimento Regional) que "A ideia básica é disponibilizar conteúdos e serviços à volta de um directório regional indexado e categorizado. O nível da sua utilização pelos habitantes/visitantes da região será a principal medida de sucesso, sendo que o Conteúdo (informações e serviços), a Interactividade e a criação de Comunidades são os aspectos que mais frequentemente mobilizam o público no sentido da consecução deste objectivo."
Descubro ainda que este projecto incluirá 4 sub-projectos:
- Descobrir e Divulgar a Região – informações e serviços relacionados com a região e com a vida local, directório de links para empresas, associações e outras organizações públicas ou privadas, administração pública electrónica, bolsa de emprego e de oportunidades;
- Empreender na Região (vertente externa) – portal empresarial com informações e serviços relacionados com aspectos económicos da Região;
- Empreender na Região (vertente interna) – rede de informação direccionada para o aumento da competitividade regional através do estímulo à criação, à acumulação e à difusão de conhecimento relacionado com a economia local, nomeadamente ligações entre as empresas e as universidades, politécnicos e laboratórios de I&D, certificações, feiras e eventos profissionais e
- Participar na Região – Disponibilização de um conjunto de serviços para permitir a participação dos cidadãos na vida pública local, bem como de ferramentas para criação, publicação e alojamento de páginas Internet.
São objectivos do projecto:
· Promover a competitividade territorial através da promoção da inovação e do empreendedorismo entre os principais actores e agentes de mudança da região.
· Mobilizar a população para o uso das novas tecnologias de informação, combater a infoexclusão e diminuir as disparidades regionais a nível nacional e internacional.
· Criar novas oportunidades para os habitantes e as empresas da região
· Projectar nacional e internacionalmente a região através da utilização das novas tecnologias de informação.
· Servir ao cidadão e ao visitante da região como cliente, fornecendo conteúdos relevantes e prestando serviços de qualidade
Para isto o VISEU DIGITAL dispôe de, reparem bem, 9.953.414,49 €, o que convenhamos ainda são uns números razoáveis, pelo menos para mim.
No site leio ainda que em termos de objectivos especificos o projecto pretende ter no Portal:
100% das Autarquias da Região, publicação de 1 newsletter electrónica mensal, 100% dos anúncios dos concursos públicos e editais on-line, 100% das actas e deliberações publicadas on-line, 100% dos representantes políticos eleitos com endereço de e-mail on-line, serviços de e-mail para todos os directores, técnicos e administrativos da AP Local, 37 Pontos de Acesso à Internet por BL em espaços públicos, uma rede interna com ligação à Internet em BL para todos os directores, técnicos e administrativos da AP Local, etc.
Ou seja, para não ser muito pessimista no minimo cada Câmara vai dispôr de um espaço internet, as juntas vão receber mais um PC e uma impressora e... oxalá me engane e, de facto, aqueles objectivos sejam todos cumpridos. Dinheiro parece haver, que é coisa rara neste País, ou se calhar já era, o que também não deixa de ser uma infeliz norma lusitana na gestão dos fundos, inclusivé os comunitários!
Para já o link do Viseu Digital (http://www.viseudigital.pt/) conduz-nos a um espaço que diz Site em produção - contacte-me quando activo! Mau prenúncio ou bom inicio? Não sei... o tempo dirá! Em casa de pedreiro... Mas, naveguem pelo site da Lusitânia e dão conta que os dados regionais são de 1996 (INE), os boletins informativos esqueçam... e este projecto do Viseu Digital tinha um espaço temporal de 3 anos! Foi certamente noutra Lusitânea que o nosso Infante deu novos mundos ao mundo. Por cá, ou eu me engano e corrijam-me se estiver errado, parece-me que continua a faltar fazer Portugal... e ao que vejo, o Viseu Digital!

Aqui ao fundo está o Espaço Internet Viseu... Este existe! Pago ou gratuito?

Há ou não Universidade? Vamos ver...

Diz o DRegional (http://www.diarioregional.pt/2449.htm) que "o Presidente da Câmara de Viseu pediu ao ministro do Ensino Superior a marcação de uma reunião onde o autarca pretende ser esclarecido sobre a Universidade Pública de Viseu. Fernando Ruas informou que à audiência pedida com o primeiro-ministro, José Sócrates remeteu os esclarecimentos para o titular da pasta do Ensino Superior. «Esta será uma reunião para esclarecer definitivamente a questão da universidade e saber exactamente qual é a perspectiva do Governo em relação ao nosso caso», disse o autarca viseense... Na eventualidade dos esclarecimentos não serem os satisfatórios para a autarquia, Fernando Ruas deixou a ameaça de que serão tomadas posições. «Na altura, no governo anterior (PSD), coloquei com dois companheiros meus, o meu lugar à disposição. Não vou agora pôr o lugar à disposição porque não o faria com este governo como é obvio, mas tomarei posições que entender que são consentâneas com a delicadeza da situação», desafiou o autarca."
Força Viseu!
Entretanto, lembro aqui que em tempos a imprensa dava nota que "A Politécnica, a Associação dos Politécnicos do Centro, que integra os Institutos de Castelo Branco, Viseu, Guarda, Leiria, Portalegre, Tomar e Coimbra, acaba de se manifestar contra a criação de uma Universidade Pública em Viseu ou noutras cidades onde exista ensino superior politécnico. Em conferência de Imprensa, os responsáveis pela Politécnica começaram por estranhar o facto de ter sido o próprio presidente da Câmara de Viseu a anunciar a criação de uma universidade para aquela cidade e de nenhum membro do Governo ter esclarecido a questão. É que em Viseu existe um Instituto Politécnico, com mais de 10 mil alunos, um pólo da Universidade Católica e o Instituto Piaget. “Consideramos no mínimo bizarro que tenha sido um autarca a anunciar a criação de uma nova universidade. Esperávamos que o Governo se tivesse pronunciado sobre esse assunto, o que até agora não aconteceu”, acrescentou Valter Lemos." Sabem quem é este Dr Valter Lemos? Isso mesmo, é hoje Secretário de Estado da Educação. Por isso, também eu estou curioso para saber o que daqui irá sair e já aqui o tenho dito, organizem-se! Viseu já não é a primeira vez que fica a perder. Será ainda efeito do sindroma Salazar? Têm medo de ser criticados de lutarem por melhores condições para a cidade? Olhem, para causas destas em prol da região e da cidade, contem comigo para a luta!

Hombre, gracias

Vejo que do México nos têm visitado com regularidade neste sitio de Viseu. Não imagino porquê mas gosto de os ver por cá... isto fica mais cosmopolita! E, a nossa cidade precisa de horizontes largos... de gente que veja longe, mais longe que o México se for preciso. Digo isto porque já calculava mas tenho confirmado, há por mim uns figurões que vivem mal com a critica mesmo que seja construtiva! Não gostam e julgam logo que quem critica não é amigo! Ah, e a limitação dos mandatos também está a causar algum atrito! Vá-se lá saber porquê? É como os mexicanos... sei lá porque clicam no blog!

17/04/2005

O que se diz por aí na rede

"Viseu tem sido apropriadamente chamada "Cidade do Verde Pinho", pois está rodeada de imensos pinheirais que parecem exercer a sua influência tranquila sobre a simpática e animada capital de distrito. Foi berço de um dos maiores artistas portugueses do século XVI: Grão Vasco (1475-1540), que dá hoje nome a um museu, um hotel e até uma marca de vinho... A encantadora cidade antiga exibe um labirinto de ruelas onde ainda se podem descobrir janelas manuelinas, velhas oficinas de latoeiros e curiosas lojinhas baixas..."
Viseu se costuma dizer que bem se poderia chamar "cidade princesa do barroco"
In resumo, digo eu:
Capital da Beira Alta, verdadeiro coração da Beira, Viseu é uma das mais características cidades portuguesas. Ocupando, por motivos geográficos, arqueológicos e sentimentais, o lugar primaz da beira tradicional, Viseu eleva-se, na inovação capitular provincial, à categoria de centro geométrico duma vasta divisão territorial cujas origens arrancam, porventura, de tempos proto-históricos. Indiferente a simpatias ou predilecções, a Geografia, geradora da História, revela e justifica a primazia viseense: acessibilidade, clima, facilidade de cultivos, predestinação populacional. Teria Bruto Calaico feito erguer o formidável acampamento romano, que é conhecido pelo nome de Cava de Viriato, se Viseu não fosse, de facto, o centro duma extensa região que era necessário manter submissa sob a ameaça de uma guarnição legionária? Nada de superior a essa imponente fortificação existe hoje no país, podendo somente comparar-se-lhe o recinto da “Cidade da Mata” de Antanhol, nos arredores de Coimbra, como a Cava, de altos e extensos muros de terra ladeados de um amplo fosso, e também, possivelmente remontando ao Século II A.C., a uma época em que Éminio e Conimbriga acabavam de sujeitar-se ao domínio romano. Antíqua e nobilissima, como está consagrada, a cidade de Viseu fica situada no meio duma vasta zona sem grandes linhas de relevo e com uma altitude média de 570 metros. É a capital do maior concelho do distrito que abrange uma área de cerca de 507 quilómetros quadrados, reunindo trinta e quatro freguesias. Foi pátria de D. Duarte, ducado de D. Henrique e inspirou Grão Vasco. Sucessivas gerações legaram monumentos artísticos de todas as idades: O conjunto arquitectónico ímpar constituído pela Sé Catedral, Museu de Grão Vasco, Passeio dos Cónegos e Igreja da Misericórdia, que ladeiam o Adro da Sé; as igrejas e capelas, símbolos da religiosidade do povo beirão; os muros e portas das muralhas, trechos da velha cerca afonsina; as casas senhoriais, dominadas pela beleza fria, mas majestosa, do granito; as janelas e portais manuelinos do velho burgo. Viseu, cidade jardim, pelos seus espaços verdes bem tratados, preservados do avanço do betão, onde se destacam, os parques de Aquilino Ribeiro e do Fontelo, a par de jardins e recantos ajardinados. Viseu, terra de ricas tradições, onde ainda é possível adquirir objectos manufacturados e onde a mesa é recheada de ricas iguarias, acompanhadas pelos excelentes vinhos do Dão. É uma cidade moderna, onde o desenvolvimento quadra bem com tradição. Centro de convergência de modernas vias de comunicação, Viseu atravessa um surto de desenvolvimento. Cidade eminentemente comercial, abre-se ao investimento e à industrialização, antevendo-se que, nos próximos anos, seja uma das regiões nacionais com maior desenvolvimento. Tem certamente razão quem um dia disse que:
“Quem não viu Viseu não sabe o que perdeu...”

O sossego aqui tão perto

Há dias foi a Póvoa Dão. Hoje, um sitio também lindissimo onde um fim de semana retemperará as forças e a alma. Falo de Villa Meã, uma vetusta quinta, aqui bem perto de Viseu, cujo passado milenar se confunde com o da própria região, adquirida pelo Senador Pedro Ferreira dos Santos. Foi berço de muitas ideias novas e de material empreendedor de profundas mudanças na região durante os finais do Séc. XIX. A quinta foi incluída na primeira delimitação da região do Dão (Carta de Lei de 18 Setembro de 1908). Fica situada na freguesia de Povolide, no Concelho de Viseu, a 8 Kms do centro da cidade. À boa maneira medieval, esta quintã, fazia parte do património da Coroa. Em 1207 é doada por D. Sancho I a Martinho Salvador e a sua mulher Sancha Pais, como recompensa pelos bons serviços que estes sempre lhe prestaram, nomeadamente por terem criado a Infanta D. Teresa e por terem sido amos do Infante D. Fernando. Hoje é hoje um conjunto habitacional que se transforma em alojamentos turísticos simples e confortáveis. A pequena povoação é ainda exemplo vivo da organizaçãos senhorial da nossa Idade Média.
O progresso, desta forma, não entra em conflito com o passado e com a tradição...

Á semelhança da Póvoa Dão um sitio bem lindo... aqui perto

Para que serve?

Ao que sei até tem um sistema importante para a navegação áerea no nosso País. Na altura do Verão também dá algum geito para apoio aos meios aéreos de combate aos incêndios. Mas, fora isso alguém me explica para que serve mais este investimento municipal?

Aérodromo de Viseu