21/01/2006

Sugestão para o dia de reflexão

E os maus sinais continuam

O preço do tarifário dos transportes públicos, em Viseu, sofreu um aumento. A lei permitia subir até aos 2,3 % e a empresa responsável pelo Serviço de Transportes Urbanos de Viseu (STUV) decidiu aumentar 1,87 % no preço dos bilhetes e 2.28 % nos passes.
E, quando é que decide colocar horários nas paragens?

Maus sinais

O Distrito de Viseu perdeu 6936 residentes em dez anos, de 1991 a 2001, segundo os dados definitivos dos Censos 2001.Uma involução em contra-ciclo com o que sucedeu a nível nacional. No mesmo período de tempo, o país cresceu em perto de 500 mil habitantes. Dos 24 concelhos do distrito, apenas os de Viseu, Santa Comba Dão e de Vila Nova de Paiva aumentaram de população, em 9900, 264, e em 53 pessoas. Oliveira de Frades foi o único que estabilizou o valor, com 10 584 residentes.
in Jornal do Centro

É obra!

Usando o direito de resposta aqui, a RDTL vem dizer que "não querendo, sequer, pôr a hipótese de má fé subjacente às declarações expressas, tanto mais sendo atribuídas aos autarcas dos municípios da Região de Turismo Dão Lafões, (...)" quer "louvar a sua criatividade e capacidade de trabalhar os números reais" (...) "devidamente aprovados pelos órgãos competentes dos quais fazem parte as 12 autarquias referidas". (...) "os encargos com o pessoal e membros da direcção foi de 132 084,95, o que corresponde a 29,2% do orçamento anual, bem diferente dos 250 000 euros mencionados. Inventaram, assim, mais 117 915 euros. Isto é obra! Os anónimos autarcas prosseguem o delírio indicando 100 000 euros como a verba a transferir em 2006 por esta Região de Turismo para a recentemente criada Agência Regional de Promoção Turística que, possivelmente por lapso, designam por "sociedade de promoção". (...) "A Região de Turismo Dão Lafões deverá transferir no corrente ano 30 000 euros para a Agência" (...) "Isto de transformar 30 000 em 100 000 também é obra!"
Pois, é pena que em tanto ano em funções a RDTL não tenha mais argumentos para apresentar que esta batalha numérica. Preferia ver demonstrado com número de acções de promoção da região, com números de aumento de turistas, etc. Sem desculpar os autarcas que têm que conhecer melhor os números das contas que autorizam, eis que, retratada a incompetência nos jornais, finalmente, ao fim de muitos anos se dá conta que a RDTL existe... É obra, mesmo!

De tirar o sono...

E, aqui há buraco!

Chamem-me que eu ajudo!

Fora com a poluição visual! Mas, não se esqueçam do Pavia, e outras poluições ambientais que por aí subsistem, por favor...

Eu vou lá ver!

aqui tinha sido referido... hoje o JN confirma-o! É de aplaudir iniciativas desta natureza na região!

20/01/2006

E, já lá vão 7!

Continuando a olhar os jornais do burgo aqui e aqui!

Crónicas de fim de semana

Os comentários prometem... nesta caça às bruxas!

19/01/2006

Mas isto é cá, certamente!

O Decreto-Lei n.º 179/2005, de 2 de Novembro estabelece que o exercício de funções públicas por aposentados ao abrigo do Estatuto da Aposentação justifica-se exclusivamente por razões de interesse público. No Artigo 78.º Incompatibilidades diz-se que "Os aposentados não podem exercer funções públicas ou prestar trabalho remunerado, ainda que em regime de contrato de tarefa ou de avença, em quaisquer serviços do Estado, pessoas colectivas públicas ou empresas públicas, excepto quando se verifique alguma das seguintes circunstâncias:
a) Quando haja lei que o permita;
b) Quando, por razões de interesse público excepcional, o Primeiro-Ministro expressamente o decida, nos termos dos números seguintes.
(...)
3 - A decisão é precedida de proposta do membro do Governo que tenha o poder de direcção, de superintendência, de tutela ou de outra forma de orientação estratégica sobre o serviço, entidade ou empresa onde as funções devam ser exercidas ou o trabalho deva ser prestado.
(...)
6 - O disposto no presente artigo é aplicável às situações de reserva ou equiparadas fora da efectividade de serviço.
Assim sendo, gostaria que me explicassem porque é que se continuam a verificar situações destas cá no burgo. Será que há lei que suporte o exercicio de cargos conhecidos na cidade por parte de aposentados ou alguém se dispensou da aplicação deste diploma? Será que foi feita proposta ao PM fundamentando o exercicio dum desses cargos por um reservista ou aposentado?
O próprio diploma refere que "a actual situação das contas públicas implica a adopção de critérios mais rigorosos em todas as áreas potencialmente geradoras de despesa pública e acrecenta que a existência condigna dos aposentados é garantida pela atribuição das respectivas pensões, pelo que, quando lhes é excepcionalmente autorizado o exercício de funções públicas, de tal situação não deve decorrer a possibilidade de cumulações remuneratórias susceptíveis de pôr em causa elementares princípios de equidade." Não estará esta acumulação de vencimento a verificar-se na cidade em certos cargos que continuam a ser exercidos ao arrepio da lei? Não haverá por cá, gente jovem e capaz a necessitar desse trabalho? Certamente que há e muitos... e continua também a haver uns poucos que, sorrateiramente e "low profile" vão benefeciando do "sistema"!

E, se fosse cá?

"Uma ficção e uma crise preocupante" que merece leitura e reflexão!
Mário Bettencourt Resendes, no DN

Eu? Nunca!


O Governo publicou hoje a portaria que altera as taxas do imposto sobre os produtos petrolíferos (ISP) que incide sobre as gasolinas e o gasóleo rodoviário. Nas gasolinas sem chumbo o ISP passa de 53,295 cêntimos para 55,795 cêntimos por litro e no gasóleo de 31,441 cêntimos para 33,941 cêntimos por litro, o que dá um aumento de 2,5 cêntimos por litro. Acresce ainda a este valor, 21 por cento do IVA, o que resulta num aumento de três cêntimos por litro de combustível. O Governo prepara ainda um aumento suplementar de mais 2,5 cêntimos este ano por litro de combustível e o Governo decidiu um aumento faseado de 2,5 cêntimos por litro de combustível, em média, que serão introduzidos todos os anos até 2008.
Para quem não ia aumentar os impostos até nem está mal! Bem prega Frei Tomás!
in Público

Há que reclamar, pois!

De facto, é importante que surjam mais e melhores vias mas não estraguem o que estava bem por aqui. Entretanto também por o Telmo não se cala em defesa das suas gentes!

IMI por aqui e por ali

(...) Na recente legislação que cria o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) fixam-se várias coisas interessantes, no quadro da consideração do "mercado" e das respectivas "leis" de funcionamento, neste caso aplicadas ao estabelecimento do "valor" de uma propriedade. (...) De acordo com tal legislação uma propriedade no "centro" de uma cidade tem mais "valor" do que na sua "periferia"; por isso o seu proprietário paga um IMI mais elevado. Assim, quando se trate de "vender" um desses bens, o primeiro será obviamente mais caro do que o segundo, o que faz com que o segundo seja mais acessível a "pobres" e o primeiro a "ricos" (sendo que no meio ficarão os "remediados", claro). Retenha-se, entretanto, que (muito d)o maior "valor" dos bens no "centro" advém de disporem de infra-estruturas que "todos nós" (e não apenas os respectivos proprietários) pagámos. (...) Finalmente assuma-se que temos um povoamento disperso e que isso é, a vários níveis, um problema; assuma-se que temos cidades com os centros cada vez mais desertos e que isso gera insegurança; assuma-se que é difícil e caro garantir os meios públicos de mobilidade indispensáveis, mas necessários; assuma-se que instituir zonas, segmentar o território, o povoamento e urbanização gera "guetos" de miséria ou de luxo e que uns e outros impedem a coesão social. Induzir (ou permitir) cidades assim é um disparate e um crime; terão malformações difíceis de reverter, custos sociais, económico-financeiros, energéticos, ambientais e urbanísticos muito altos, despropositados e injustos.
Por tudo isto, teremos de cumprir a nossa obrigação de "exigência", exigindo (nomeadamente mais) "responsabilidade" às câmaras leia-se, interprete-se e cumpra-se a legislação em causa; usá-la apenas para aumentar receitas ou para distribuir, de forma populista e a esmo, reduções de impostos (do IMI, p.e.) é fazer de nós parvos, designadamente porque, tais descontos são só para alguns e, a prazo, todos seremos chamados a pagar o que falte.(...)
Arquitecto Pompilio Souto in JN

Olha, mais um!

Mais um olhar sobre os jornais locais! Ainda falta dar uma olhadela, se a memória não me falha, neste quinzenário e neste semanário! Não desistas, estamos a gostar!

18/01/2006

Gosto disto


Já há datas para o próximo?

Lá pró Verão e na praia, não?

Acho muito bem que julguem esta malta toda! O vinho é tão reles que nem dá pra aquecer o pessoal...

Queimar as pestanas...

Hoje aqui há mais preocupações sobre o ensino académico local!

Isto não é real

Atento ao que ganha Constâncio e os seus pares no Banco de Portugal ou mesmo ao subsídio de deslocação do Ministro das Finanças por viver em Lisboa só para exemplificar, acho que um aumento de três cêntimos no subsídio de refeição ofende a dignidade de qualquer cidadão...

Haverá vida para além da morte?

Amor com amor se paga!

Quem espera, desepera!

A GAMVIS continua por aqui à espera! Mau é já no arranque faltarem à reunião 6 autarcas... e o Governo assobiar para o lado nisto tudo!

Por lá e por cá

Com alguma frequência se dá conta que, no distrito nosso vizinho em resultado do excelente entrosamento e parceria entre o meio académico e o mundo industrial, aparecem iniciativas desta natureza. Por cá, nem um carrinho de rolamentos...

17/01/2006

Cadeiras há muitas, empresas por cá é que são poucas!

A boa noticia é que atentos a factos destes os tipos da IKEA querem investir no nosso País. A má notícia é que afinal, ao contrário do que se anunciou por aí, Mangualde já está fora dos planos deste grupo empresarial.

O amanhã começa agora

Enquanto aqui se abrem portas, por aqui a dúvida é se continuam fechadas ou não!

Pela blogosfera local

E aqui debate-se um problema sério que merece atenção, reflexão e sobretudo medidas de correcção urgentes! Já aqui, o Viriato exige respeito! E, esta jovem que veio a Viseu para matar saudades da família e por outro motivo para visitar a cidade do Viriato ainda deve andar a recuperar psicológicamente do trauma que teve!

Etimologias

Esta já não é nova e já tinha sido falada aqui e copiada doutro lado, mas não deixa de ser engraçada!

Mais olhares atentos...

E continuam aqui e aqui os olhares pela imprensa local.

16/01/2006

ETAR precisa-se!


E, por hoje... vou hibernar! Estou assim... e não é com os olhos em bico!

Dúvida de fim de semana

Em relação ao próximo fim de semana, deixem que vos confesse, o que me preocupa mesmo é saber se o SLB joga sábado ou não?

Um só clique...

Eh lá... isto agora já vem empacotado?
ET: Não confundir com pacote... Longe daqui esse lobby, por favor! A gerência agradece!

E, porque não?

Aqui há exemplos que podem ser seguidos por cá!

A imprensa local... um olhar

Depois destes olhares, continua por aqui a viagem à imprensa local. Vale a pena seguir esta leitura!

15/01/2006

Filtros

Depois desta "história" das escutas quase aposto que o Plano do Choque Tecnológico vai incluir a instrução para que o pessoal aprenda a fazer filtros com Excel! Fica aqui já uma dica: "Os filtros permitem visualizar apenas as linhas da base de dados cujos registos satisfaçam um critério ou um conjunto de critérios. O comando Filtro do menu Dados permite seleccionar o tipo de filtros que se pretende aplicar: Filtro Automático ou Filtro Avançado"!
Por mim, acho que é antes de serem nomeados é que o sistema politico os devia filtrar!
Antes de votarmos neles é que temos que os filtrar! Depois de lá estarem, não há filtro possivel!

8 ou 80?

O Público de hoje (link não disponível) dá nota que "Depois da abertura do Fórum, em Setembro, e da prevista inauguração do ampliado Palácio do Gelo, outras novas grandes superfícies preparam-se para abrir portas nos principais acessos à cidade. O Grupo Sonae já apresentou o projecto para o ViseuShopping e há luz verde também para a instalação das lojas E. Leclerc, Retail Park e Staples Office Center. Preocupada com o cerco, a associação de comerciantes propõe que os lojistas do centro da cidade passem a funcionar como um "centro comercial ao ar livre"."
Sobre isto já aqui se escreveu, já se falou doutras apostas e já em tempos idos se lembrava ao comércio tradicional que tinham que se mexer... ou abafavam! Indiferentes a tudo isto, as grandes superficies avançam, qual máquina retroescavadora desbravando tudo à sua frente e só tarde se dará conta do erro da aparente falta de planeamento! Seria bom darem-se a conhecer os estudos que sustentam esta "invasão", para ajuda dos comerciantes e sossego dos viseenses! Doutra forma, parece ser o principio do fim, como aqui já se disse! O tempo o dirá!

Um olhar diferente

Ainda há aqui quem se preocupe com os desfavorecidos! É de louvar, nos tempos que correm! Sobretudo, numa altura em que Portugal continua a ser o País mais desigual e mais pobre da União Europeia e onde a diferença entre os mais ricos e os mais pobres se acentuou a partir de 2001. O número de pessoas a viver com menos de 350 euros por mês ronda os dois milhões...

Assalto aos "hermanos"

Ainda é criança mas já promete! São bons indicadores para a nossa região!