22/04/2006

Sinais de mudança

Mais um blog que adere à causa. E fá-lo de forma que merece referência pois mesmo não comungando em absoluto da ideia ou tendo algumas reservas quanto ao "modelo" não deixam, por Viseu, de assumir a causa e apoiá-la! Ora, como é sabido, isto não é norma por cá! Pelo burgo, "as ideias de sinal contrário" repelem-se, contrariando a fisica, razão pela qual a cidade tem ficado afastada dos projectos nacionais! Os tempos obrigam, na minha opinião, que se deixem os "vidrinhos" de parte e se aposte no que é verdadeiramente essencial e estratégico para que a cidade se continue a projectar no futuro próximo.
Chega de dar voltas às rotundas... procuremos agora os
caminhos de saída que elas nos oferecem pois, são essas as vias do desenvolvimento e do progresso!

Sonhando...

E isto? Que ideia lhe suscita? Esta, por exemplo?

Quem espera sempre alcança!

- Ouve lá, não está na hora de irmos apanhar o comboio?
- Tem calma, ele passa
aqui!

Trocar o bom pelo mau?

Já é confirmada a noticia! A despedida fica aqui feita. E, constou-me que por cá já se reza para que o próximo não venha da Guarda!...

21/04/2006

Gentes de Viriato


Esta foi recebida por email mas aqui a nossa tem mais assinaturas! Por isso, não desistam. Continuem a iniciativa!
Não se esqueçam que (...) foi nesta região das Beiras do Portugal interior, arcaico e profundo, outrora, parte integrante e directa da antiga Lusitânia, foi muito particularmente nesta histórica, progressiva e acolhedora cidade de Viseu, que ficaram plasmadas, para sempre, na memória e no imaginário do nosso Povo, as passadas destemidas, os gestos fortes e a alma tutelar do Grande Viriato, mítico herói consagrador da ideia de “Lusitanidade” (...) dotado de rara destreza, valentia e sagacidade e de um apurado e quase sacral sentido demótico da escuta e da justiça e de um incarcerável impulso para a liberdade e a independência, de uma indomável capacidade de sofrer, resistir e lutar contra o poder imperial de Roma, em suma, incomparável protagonista da ousada assunção de uma identidade cultural e de um destino colectivo a cumprir… Por isso é que, nas próprias muralhas de granito desta secular cidade-fortaleza, (...) no sangue e na alma das nossas gentes, desde as suas raízes e abismos seminais, circula, incontornável, o “ADN arquetípico” de Viriato (...) e aqui, poderemos todos partilhar, na mesma “pátria da língua”, a procura de um renovado e global alento, através da redescoberta dos fluxos míticos primigénios e dos tonificantes afectos, energias e sinergias, indispensáveis à realização de sonhos e projectos, indispensáveis à poética instauração de esperanças e utopias… (e de uma cidade melhor, mais justa e mais moderna)
Fernando Paulo Baptista in Tertulia de Viriato (adaptado)

Euclides Pinheiro Show!


Postal autografado pelos artistas que se exibiram no Fontelo, na Avenida José Relvas, nos primeiros anos da década de 70. O espectáculo teve lugar a seguir a um jogo do CAF (o verdadeiro Académico de Viseu, não o fabricado).
Para assistir a esta exibição e como o dinheiro era pouco…confesso que tive que saltar um muro e correr através do jardim! Os carros eram os mais recentes Vauxall Viva e o espectáculo foi muito interessante. Lembro-me de ouvir a recomendação para que não experimentassem fazer aquelas habilidades, por serem perigosas e que apenas nos radiadores dos carros tinham sido feitas pequenas alterações. Pelo que ouvi, mais tarde, não era apenas isso, mas a publicidade era muito boa, certamente bem paga e os viseenses e os visitantes gostaram de ver as habilidades dos dois brasileiros.
AJ

Boca a boca... clique a clique!

Os efeitos da petição sobre o comboio para Viseu já se fazem sentir... Descarrilaram-me o gráfico, mas ainda bem... Aumentaram os visitantes e a adesão à ideia. A esta hora a barreira dos 150 já foi ultrapassada. Estamos no caminho dos 200. Não desistam e passem palavra!

E o Siza Vieira que acha disto?

E esta noticia enquadra-se no apoio ao comércio local ou é prova do erro cometido?

Expliquem lá esta!?

O lider aqui é o mesmo de há muitos anos mas as estratégias passam pela renovação do Partido.

Guerras? Queixinhas...

Isto são guerras sem interesse para os viseenses, na minha modesta opinião. Seja de quem for a culpa, isso deve ser dirimido nos gabinetes e torná-lo disponível para a finalidade e para os utentes deve ser o sentido de missão das entidades intervenientes. Importa, pois, é que o cidadão e viseense tenha acesso ao serviço... agora se faltou o motorista ou se foi a enfermeira!

Vandalismo escabroso

É absolutamente vergonhoso que isto aconteça! Revolta-me saber que "alguém" faz saíndo impune do acto e custa-me entender as "inércias" que permitem que tal aconteça. Ainda por cima, começa a ser rotina noticiada na cidade...

E em OVNIS acreditam?

O desfile, este ano, promete algumas novidades. O vice-presidente de uma das escolas mais florescentes da cidade – Escola Superior de Saúde (Enfermagem) - desafiou os alunos a não utilizarem uma pinga de álcool durante o desfile. O ‘convite’ foi feito na Aula Magna do Instituto Politécnico de Viseu, completamente cheio de alunos. Inicialmente, receberam a ‘mensagem’ com alguma surpresa. Mas, de seguida, as palmas vieram e todos aplaudiram, de pé, a ideia, comprometendo-se a levá-la à prática.
in
Noticias de Viseu (o dos dois logotipos) sobre a XXII Semana Académica de Viseu

20/04/2006

De malas feitas

Por aqui a noticia do "Mensageiro" é dada como certa. Vamos ter que trocar de bispo muito em breve!

Conversa à volta da linha

- Oh, pá a sério que é aqui que vai passar a linha...
- Deixa-te de tretas! Aqui passa mas é o funicular!
- Então e o comboio? Esperamos pelo TGV?
- Espera sentado... Vai mas é à net e assina isto!

NNo Jornnal da Beirra

Segundda diia 24, é ddia dee...

O segredo é acreditar... e lutar por isso!

Mas esta luta aqui, também necessária, conseguiu 15.000 assinaturas!

Aí vem ele... passámos as 100 assinaturas!

Aqui vos deixo a foto da nova estação dos caminhos de ferro de Viseu. Não acredita? Então clique aqui e apoie a causa!

19/04/2006

Quando menos se espera...

Dei agora conta, mas já desconfiava, que estas coisas "à borla" normalmente dão buraco! Não desanimem, já estou a tentar resolver o problema... já contactei o "server administrator, and inform them of the error occurred"!

Viseu na net! Viseu ao poder...

Os jovens lusitanos que querem conquistar a Capital pretendem um espaço aqui! Fica registado, pelo orgulho partilhado de sermos do distrito de Viseu!
ET: E se puderem tirem a senha para o jantar.

Tradições antigas

Avenida da Bélgica, nº 59, porta da oficina do Senhor Daniel

Trata-se de um vestígio de uma tradição medieval que na época era o equivalente aos letreiros e anúncios luminosos, lembra-me o AJ. Pena que a tradição já não seja o que era... alguns mereciam levar um par de botas!

Apita o comboio!

2 dias na net e vão nascendo pernas à criança. À hora que coloco este post já 82 viseenses se juntaram à ideia e este jornal aqui também não quis ficar de fora. A onda vai ganhando forma...

Fiquem a saber

O burgo tem novo Comandante da PSP!

Vá-se lá saber porquê?

Daqui para aqui voaram 5 milhões de euros!

18/04/2006

Todos por Viseu, assim é bonito!

Obrigado pelo apoio.

Não me incomoda o grito dos maus... perturba-me é o silêncio dos bons!

Também aqui a GAMVIS parece ter ganho novo fôlego. A Grande Área Metropolitana de Viseu (GamVis) reúne no próximo dia 24, num encontro que servirá para marcar a data das próximas eleições para os órgãos sociais desta estrutura e elaborar estudos estratégicos para aproveitamento dos fundos comunitários. Álvaro Amaro, presidente da GAMVIS aposta na definição de estratégias para "um período muito importante que se avizinha", referindo-se ao Quadro de Referência Estratégico Nacional 2007-2013. A noticia vem bem retratada no Púlico (link não disponivel) onde se define a necessidade de rápidamente avançar com um Plano Estratégico para a Região (que tem também que ser operacional, o comentário é meu) por forma a candidatar ao novo QERN. Outras regiões já estão a trabalhar nisso e na tomada de posse dos Corpos Sociais da AIRV já o Presidente da AM da GAMVIS, Almeida Henriques, tinha alertado para isso, dando como exemplo Aveiro. Finalmente, a Região parece ter acordado. Vamos ver se não entra de novo em hibernação!

Têm a palavra os leitores

Apesar do muito que se tem dito sobre este problema, de grande interesse estruturante e estratégico para a nossa cidade (e o Viseu, Senhora da Beira tem-lhe dado muita atenção e relevo) convinha fazer um ponto de ordem ao retorno (sim, porque é disso que se trata!) da infraestrutura ferroviária à nossa cidade. É que tem havido tanta e diversa opinião expressa por gente responsável, que poderá provocar alguma confusão no cidadão menos conhecedor destes assuntos. Por exemplo, uma entidade defende uma linha de transporte de velocidade alta, em vez ou muito longe do projectado TGV; outra entidade diz que o sector comercial precisa de uma ligação ferroviária urgente, seja através do TGV ou de outra qualquer, porque quanto mais ligações houver, melhor; já o presidente da CMV, numa intervenção mais recente, reconhece e bem, que estava na altura de voltar à antiga reivindicação da ligação da cidade à Linha da Beira Alta, mas que sendo um investimento que depende do Governo, a reivindicação desta infraestrutura devia passar não só pela autarquia, mas também pelos deputados da Assembleia da República, como interlocutores do distrito junto da administração central;etc,etc.
De facto convinha esclarecer e concertar as ideias, até para que a convergência das posições a tomar possa conduzir a resultados palpáveis, dentro de um prazo razoável! Sugiro uma nova leitura do spot "Recordando", do passado dia 15, com referências às declarações do especialista em Transportes, Manuel Tão, que, em minha opinião, esclarecem, sintetizam e centram bem as verdadeiras questões que se colocam nesta problemática do relançamento da infraestrutura ferroviária, de tão grande interesse para a nossa região.
Mas o tempo urge, pois de acordo com o porta-voz da Refer, a questão do isolamento ferroviário de Viseu só está a ser considerada no âmbito do projecto do TGV, entre Aveiro e Salamanca, a construir na melhor das hipóteses até 2015, não tendo qualquer verba prevista para voltar ao estudo da ligação a Viseu, através de um desvio à Linha da Beira Alta, possivelmente entre Mangualde e Nelas.
beirão 04.18.06 - 3:23 am

Expectativas ultrapassadas!

Um dia passado e à hora que coloco este post já somos 33 nesta linha!

17/04/2006

Petição pela "linha do Futuro" para Viseu

O Viseu, Senhora da Beira decidiu hoje, colocar online uma petição pela ligação à linha do caminho de ferro. Viseu é a maior cidade da Europa continental que não é servida pelo caminho-de-ferro! Ligar Viseu à rede convencional e à Europa "deverá constituir um desígnio nacional nas políticas de obras públicas prioritárias nacionais, aproveitando-se o facto da região permanecer elegível para Fundos Europeus de Objectivo I, no próximo Quadro Comunitário de Apoio". A linha do caminho de ferro representa para Viseu o investimento no futuro, benefeciando a fixação de indústria, o desenvolvimento do comércio, o menor número de carros na estrada, um beneficio ambiental e social, uma ligação útil em Portugal e a mais fácil circulação de pessoas e bens com a Europa! O investimento é pequeno para os beneficios que acarreta. Vamos todos, sem excepção, lutar por esse direito. Viseu merece esta ligação! Se não concorda com a ideia, não deixe de expressar a sua opinião. Se comunga deste "sonho", assine a petição!

Era preciso um curso para descobrir isto?

A Stª Bárbara é lembrada quando troveja!

Nem tudo é mau

Por aqui somos exemplo... e por aqui nem falados?

O exemplo de Mansfield

O isolamento ferroviário de Viseu assemelha-se muito ao caso da cidade Inglesa de Mansfield (na região de Nottingham), que, com os seus 85 mil habitantes, foi até ao fim da década de 90 o maior centro urbano da União Europeia sem caminho-de-ferro. Mansfield foi privada do transporte ferroviário nos anos 60, quando se desmantelaram muitas linhas regionais em toda a Grã-Bretanha.
Mais tarde, com o aumento demográfico, foi-se tornando claro que a situação da cidade era insustentável, pois tinham-se construído itinerários principais e vias rápidas que se encontravam em congestionamento permanente. O Governo de Londres autorizou então a reabertura da linha de Mansfield, tendo sido necessário reassentar a via por completo e reconstruir estações desaparecidas do mapa quase três décadas antes.

Ainda sobre o comboio que não temos!

AIRV defende "velocidade alta"
O presidente da AIRV -Associação Empresarial de Viseu, Luís Paiva, declarou ao PÚBLICO que existem posições muito antagónicas entre diferentes especialistas, todas com "argumentos válidos". "O que a AIRV defende é uma linha de transporte de velocidade alta, muito longe do TGV [que permite velocidades de 320 quilómetros por hora]. Transporte de velocidade alta significa que, com mercadorias, circula entre os 150 ou 180 quilómetros hora, sendo que a mesma estrutura permite circular a 250 quilómetros por hora com passageiros", explicou. Além disso, Luís Paiva recordou que "a Linha da Beira Alta não tem a bitola europeia". "Se não houver a definição do modelo técnico e do trajecto, se não houver força política, é natural que, face ao estado das finanças públicas, estes investimentos vão sendo preteridos", lamentou.
Já o presidente da Associação de Comerciantes de Viseu, Gualter Mirandês, não tem dúvidas de que uma ligação ferroviária à cidade iria beneficiar o sector comercial do concelho. “A palavra “absurdo” (utilizada para o facto de se estar à espera do TGV Aveiro-Salamanca) talvez seja demasiado forte, mas [a ligação à Linha da Beira Alta] é uma reivindicação justa. A cidade já tem boas ligações rodoviárias, mas as ferroviárias são extremamente más”, sublinhou. “O sector comercial precisa de uma ligação ferroviária urgente, seja através do TGV ou de outra qualquer, porque quanto mais ligações houver, melhor”, acrescentou.
Maria Albuquerque in Público (link não disponível)

16/04/2006

Coisas bem feitas


Junto foto obtida junto à Casa da Ribeira, no jardim e na margem do Rio Pavia.
A "janela" aberta era um perigo para as crianças e a sua vedação era reclamada há muitos anos. Há largos meses que foi exigida nas páginas de um quinzenário da cidade. Finalmente foi executada.
Outra notícia boa é a campanha de desinfestação.Um comedouro com isco envenenado está frente à "janela" e muito outros estão espalhadas pelas margens do rio. As ratazanas avistadas eram do tamanho de coelhos e muito abundantes!
Por AJ

Profissionalismo e Competência

A propósito desta discussão que anda por aqui, sabiam que o Museu Militar de Bragança que funciona numa torre antiga e que nem consta desta lista tem mais visitantes que o Museu de Grão Vasco?
E, as greves que os funcionários destes espaços culturais mantêm ao que consta há 14 anos nos Domingos de Páscoa também dá que pensar! Numa altura em que por tradição somos “invadidos” por milhares de espanhóis (entre outros), vedamos-lhes o acesso à cultura do país que pretenderam visitar.

Profissionalismo e Competência

A propósito desta discussão que anda por aqui, sabiam que o Museu Militar de Bragança que funciona numa torre antiga e que nem consta desta lista tem mais visitantes que o Museu de Grão Vasco?
E, as greves que os funcionários destes espaços culturais mantêm ao que consta há 14 anos nos Domingos de Páscoa também dá que pensar! Numa altura em que por tradição somos “invadidos” por milhares de espanhóis (entre outros), vedamos-lhes o acesso à cultura do país que pretenderam visitar.

Cidade jardim

Um dia quem sabe...

Será que a linha do futuro passará em Viseu?

Relembrando

Fernando Ruas retoma exigência da ligação ferroviária
Associação empresarial defende "linha de velocidade alta", mas "muito longe do TGV". Comerciantes consideram que ligação ferroviária seria benéfica para o sector. Ver regressar o comboio a Viseu é uma velha aspiração do presidente da câmara, Fernando Ruas, que não deixa de sublinhar que esse é um investimento da competência da administração central. Confrontado com as declarações de Manuel Tão, especialista em Transportes, o autarca social-democrata considerou que, provavelmente, "está na altura de voltar à antiga reivindicação". Se é um especialista que diz isso, então acho que devemos insistir. Esse é um investimento que não depende de nós, mas do Governo, por isso a reivindicação tão deve passar só pela câmara, mas também pelos deputados eleitos para a Assembleia da República, que são os interlocutores do distrito junto da administração central", realçou ao PÚBLICO.
Fernando Ruas lembrou que, "no final do Governo PS de António Guterres e princípio do (executivo PSD) de Durão Barroso", a câmara e a CP - Caminhos-de-Ferro Portugueses desenvolveram um projecto que previa a ligação da cidade à Linha da Beira Alta, em Mangualde ou Nelas. "Essa ligação estava definida, eu vi o projecto. Chegou a ser colocada uma verba em PIDDAC e depois foi retirada, com o argumento de que não valia a pena duplicar investimentos, dado que o TGV ia passar em Viseu", afirmou.
O projecto inicial previa que a estação ficasse localizada ou na freguesia de Ranhados ou na de Fragosela, ambas fora do perímetro urbano. A solução não agradou à CP, que impôs como condição a instalação de uma estação na cidade, alegando que só assim o comboio seria rentável. A ideia agradou a Fernando Ruas, que projectou fazê-la nas proximidades da segunda circular, inaugurada há menos de um mês.
"Este projecto tinha na altura um investimento previsto [por parte do Estado] de 125 milhões de euros, o que até não me parece muito", disse Ruas, vincando que a condição imposta pela câmara era que a ligação contemplasse o transporte de mercadorias e de passageiros, com pendulares directos Viseu-Lisboa e Viseu-Paris. "Aceitámos o argumento de que não valia a pena duplicar investimentos e que o TGV seria uma solução adequada, mas, ultimamente, tenho lido e ouvido muitos defensores do "T deitado" (que consiste num eixo Lisboa-Porto-Vigo), lamentou.
Maria Albuquerque in Público