08/12/2006

Na SIC pela positiva

Acabámos de sair na SIC e desta vez sem ser no "Nós por cá"! A reportagem (link não disponivel) registava o facto de cerca de 5000 crianças do concelho passarem pela exposição do Multiusos sobre as questões do ambiente e reciclagem... Positivo e de aplaudir!

Mensagem entendida

“Pedia encarecidamente aos presidentes das comissões vitivinícolas, o seu empenho, no sentido de colaborarem para se criar uma grande comissão vitivinícola de toda a região e não se sobrepusessem uns aos outros”.
António Ramos, director regional da Agricultura da Beira Litoral.

“Estamos abertos a uma grande entidade certificadora. É uma grande mais valia para as Beiras, agora, nós, comissão, temos todas as condições para avançar sozinhos”.
Valdemar Freitas, presidente da CVRD.

Ideias não faltam...

A Associação Empresarial da Região de Viseu (AIRV) e a Escola Superior de Tecnologia (EST) procederam, ontem, à apresentação pública de uma nova incubadora de empresas instalada no edifício-sede da associação empresarial, em Coimbrões.
in JN

Há dias assim...


Resolvi andar na rua
com os olhos postos no chão.
Quem me quiser que me chame
ou que me toque com a mão.

Quando a angústia embaciar
de tédio os olhos vidrados,
olharei para os prédios altos,
para as telhas dos telhados.

Amador sem coisa amada,
aprendiz colegial.
Sou amador da existência,
não chego a profissional.

A. Gedeão

07/12/2006

Onde para a Polícia?

Os da Guarda reclamam pela Polícia. Curiosamente por cá, há ou não há? Aqui não consta...

Viseu na net

Viseu hoje pela manhã no Abrupto.

E, quem te vê?

"O ISPV só tem razão de existir se estiver ao serviço da comunidade. E a comunidade, por sua vez, tem de estar ao serviço do país." É com base nesta premissa que o Presidente do ISPV lança o desafio duma TV regional. Com um excelente estúdio a funcionar nas suas instalações (a ser usado até pela SIC) o Instituto pretende assim "apoiar o ensino e a investigação, desenvolver a comunicação interna e externa, facilitar as relações com os interlocutores sociais e dar visibilidade às aspirações da região". A noticia do jornal continua referindo que "a primeira televisão acessível pela Internet, dedicada à região de Viseu, nasce depois de amanhã", o que é no minimo desagradavel para quem lança a ideia e já tem este serviço online (VTV). Aliás até o nome escolhido para para o projecto da "viseu.tv" que surge de uma parceria entre duas empresas viseenses, a "fluxodigital.com" e a "originalsites.net", me parece um mero plágio da "televisão do ISPV". E, sem querer ser derrotista, a explicação dos promotores que, garantem, dotaram-se "da mais recente plataforma tecnológica ao nível de áudio/vídeo", que possibilitará aos utilizadores "uma navegação bastante rápida e optimizada" parece-me completamente desligada da realidade da rede de dados que se vive em Portugal. Mais dia menos dia, a promessa feita aqui acerca da intenção da CMV de ter uma TV online tornar-se-à realidade (será???) e vai ser uma beleza estar sentado no PC e em cada clique fazer "zapping" nas TV´s do burgo!

A maior cidade da Europa sem comboio

Com a abertura da "Robin Hood Line", a partir de Nottingham, Mansfield abandonava o posto de "Maior Cidade da Europa sem Comboio" (ilhas exceptuadas), remetendo o incómodo estatuto para uma Viseu que ia crescendo incessantemente à sombra dos IP´s e das rotundas. (...)
Com o anúncio da construção da futura Rede Transeuropeia de Alta Velocidade, o Poder Central declarava, de uma forma algo confusa, sem revelar ao certo a vocação e âmbito dessas novas linhas de bitola Europeia, exclusivas para o tráfego de passageiros, que um dos cinco corredores a construir no território de Portugal seria precisamente Aveiro-Viseu-Salamanca. E alegadamente, este "novo corredor" dispensaria a ligação convencional a Viseu, a partir da já modernizada Linha da Beira Alta. (...)
O Município de Viseu reclamou recentemente uma ligação ferroviária convencional à Linha da Beira Alta, instando o actual Governo a definir-se, dado que foram reservados em sede de Plano Director Municipal, um conjunto de terrenos nas imediações do Hospital Distrital e do Politécnico para a construção da estação de Viseu e respectivo complexo. O "misterioso" desaparecimento das verbas em PIDDAC há menos de dois anos para a construção da ligação ferroviária de Viseu a Nelas ou Mangualde, pelo menos, carece efectivamente de uma explicação. (...) Mas o que é por demais estranho é a inconsistência absurda que constitui a exclusão de Viseu do mapa ferroviário do país, em nome de uma linha dedicada a passageiros, de Aveiro a Salamanca, cuja materialização nunca terá lugar em menos de três décadas. Em trinta anos, é concebível deixar a maior cidade do interior do país – e única suplantando a marca demográfica dos 100.000 habitantes – sem ligação ferroviária???
Se efectivamente é, então que o Governo o diga sem rodeios. E explique como é que semelhante situação é compaginável com o Plano Nacional de Planeamento e Ordenamento do Território (PNPOT). O que é que se perspectiva para uma cidade desta dimensão que não vai ficar ligada, ao contrário de Mangualde e Nelas, à rede distribuidora do TGV, a partir de Coimbra. Vamos ter problemas de "poluição temporal" e super-congestionamento das auto-estradas que ligam Viseu à rede ferroviária mais próxima (onde "encaixa" semelhante política na “engalanada” redução dos Gases de Efeito Estufa)??? E como é que se chega – sem ser por estrada - aos parques industriais de Viseu, a partir das tais “plataformas logísticas” (Cacia e Guarda), que o Governo diz ter tanto empenho em levar por diante?
Leia o artigo completo aqui.

06/12/2006

Quartas de música

Mais dois de Viseu

Há mais Viseu na blogosfera... Aqui uma consciência animada, um alerta vivo, um tudo e um nada e neste random lost memories and forgotten dreams by a lost soul"!

Mau tempo no burgo

A feira semanal também acabou mais cedo devido à falta de clientela e ao facto do rio Pavia ter invadido parte do recinto, galgando as margens que actualmente estão a ser requalificadas no âmbito do Programa Polis.
in DRegional
Também a "Educação" voltou a meter água... mas isso já tinhamos dado conta!

Queremos todos mais e melhor segurança

E, quem não quer mais segurança? A região começa a evidenciar sinais preocupantes que merecem uma actuação firme para reduzir os efeitos e uma análise cuidada das causas (além da detenção dos vândalos e outros amigos do alheio).

Diferendo resolvido

Ao que consta aqui está enterrado o machado de guerra entre Citrôen e CM Mangualde, facto que se regista a bem dos trabalhadores e da região!

Perguntar não ofende

Esta pergunta está uma riqueza... Responda quem souber!

Está atrasado ou chega a horas?

O Ideias Fixas do nosso conhecido Sá Morais relançou a ideia... Afinal, ainda não morreu a esperança! E, lançada a discussão há quem concorde e quem discorde. A petição, essa, continua a ir registando adesões e vamos a caminho dos 500. Fica aqui o link e naturalmente aberto o espaço a comentários!

05/12/2006

Olhares sobre a cidade

Este é um... mas há mais olhares da cidade, certamente!

A próxima no Teatro

Tempos depois...

Porquê este Parque?
A região de Viseu tem registado nos últimos anos um crescimento que a coloca como eixo de uma nova centralidade onde entroncam vias de comunicação, equipamentos sociais, investimento público e privado a que se juntam agora novos estabelecimentos de ensino superior.
Este crescimento resulta também de um tecido empresarial activo que tem permanentemente correspondido às dinâmicas verificadas. Perante estes cenários tornou-se imperativo intervir no domínio da localização empresarial e, consequentemente, criar este primeiro projecto, o Parque Empresarial de Mundão, que vem dar resposta aos inúmeros pedidos de instalação dos empresários e também introduzir um novo conceito de gestão condominial em espaços destinados a actividades empresariais. (...) Este equipamento económico, constituído numa área territorial delimitada e com características de condomínio empresarial, é gerido por uma sociedade gestora, a GestinViseu - Parques Empresariais de Viseu, S.A., a quem cabe um papel activo de promoção e divulgação do Parque e da actividade económica que ele gera, sendo ainda responsável pela sua gestão, nomeadamente:
- Espaço para escritórios de empresas
- Salas de reunião
- Formação Profissional
- Centro médico Creche / jardim de infância / ATL
- Espaço para instalação de serviços (bancários, correios, etc.)
- Área de restauração e cafetaria
- Ecocentro
- Ecopontos
- Postos de transformação
- Portaria
E, disto? O que existe hoje? Do que se projecta ao que se realiza vai uma distância abismal... Ele há coisas fantásticas, não há?

Referência positiva

Viseu nas primeiras páginas e como exemplo de boas práticas! É de aplaudir!

E, ficarem parados é pior!

E, quase aposto, que estes aqui bem podem esperar sentados, infelizmente!

Apagar fogos no inverno

Os incêndios são um flagelo actual e por isso é de registar o aparecimento aqui destas acções de sensibilizaçao e prevenção mesmo no inverno.

São também os alunos que fazem a escola


É sentido e sabido que o ensino superior de Viseu se encontra fechado sobre si próprio. A interacção com as empresas e o tecido social da região consegue-se resumir a uns quantos protocolos de estágio, uns quantos congressos e pouco mais... projectos recorrentes e sistemáticos de colocação do saber académico ao serviço da comunidade local e do empreendorismo local são excepções à regra, ao contrário por exemplo do que se passa aqui ao lado em Aveiro. Não sei se um blogue será a forma mais ajustada para criar esta empatia com a polis local nem se o tema em causa suscitará o interesse da maioria mas não deixa de ser de registo a preocupação destes alunos aqui!

04/12/2006

Cenas da academia

Há mais disto aqui! A foto foi retocada para não denunciar o "simpático" e dispensa comentários!

Leitura obrigatória

Em Portugal, quem está na vida política divide-se em três grupos os mercenários, que fazem dela uma forma de enriquecimento próprio; alguns resistentes, como é o meu caso; e os medrosos. O problema dos medrosos é que são muitos e muito baratos. Os resistentes têm a obrigação de dar mais força à sociedade para mudar o actual estado de coisas.
Paulo Morais in JN

Viseu e a cultura do centro comercial

Há mais Viseu na net... O Hugo fala aqui do que lhe apetece! E, concordo com ele, esta coisa da cultura do "shopping" é detestável!

Sai factura!

Na cidade de Viriato, a Câmara divide com os comerciantes o custo das iluminações das ruas principais (cerca de 90 000 euros), cabendo à autarquia suportar, em exclusivo, a decoração das praças, rotundas e arruamentos que não têm comércio. As novidades deste ano são "os motivos diferentes, de maiores dimensões e muito coloridos", que vão ser utilizados em quatro ou cinco ruas do centro da cidade.
in JN

Novos talentos procuram-se

O Teatro Viriato, em Viseu, está à procura de jovens, entre os 14 e os 20 anos, da região de Viseu, para integrarem o projecto PANOS, Palcos Novos Palavras Novas, promovido pela Culturgest e que, no Teatro Viriato vai ser orientado pelo encenador Graeme Pulleyn. As inscrições estão abertas até 15 de Dezembro no Teatro.

Festa de arromba

Aposto que esta festarola toda pela ocasião da inauguração do cemitério nem em países do mundo subdesenvolvido acontece! E depois, já tem lugares marcados ao que parece... o ideal seria ficar para os repesenses maus, para os que criticam porque os bons... esses, vão para o céu! Há coisas fantásticas, não há?

03/12/2006

Olha aí o meu!

Ao mesmo tempo que ocorre o evento do Dão, vinhos & sabores, a discussão à volta do "tacho" sobe a fervura! Há opiniões para todos os gostos, mais condimentadas ou menos! No meio de tanta polémica, há quem se mantenha caladinho... não te rales, mas não te entales! O vencimento justifica tal cuidado, certamente!

Quando a coisa nasce torto...

Quando não é a Câmara a plantá-las por tudo que é via de comunicação, são os moradores a exigi-la! Lá terão as suas razões e um destes dias a cidade mais uma rotunda!

É só imagem...

Anuncia-se por aqui a chegada de mais uma TV local. Já tínhamos esta e a promessa aqui da TV do regime!

O natal na cidade

O AJ não falha. Já retratou o natal na cidade aqui.

Agradecido pela preocupação

Não deixa de ser curiosa esta preocupação quando no limite somos nós, os contribuintes que aguentamos a carga! E em Viseu é pela tabela máxima!

O PDM de Viseu é melhor que o meu!

Como o PDM do burgo está na ordem do dia aqui ficam algumas citações para os decisores locais terem em linha de conta:
- PDM que berra, bocado (de território) que perde...
- O PDM de Viseu quando nasce é para todos (ou quase).
- A proposta de PDM da vizinha é sempre melhor que a minha.
- Mais vale um PDM de Viseu na mão que dois em vigor!
- Zona a zona enche o PDM de Viseu o papo.
- Entre PDM e CM não se mete a colher.