23/02/2008

São uns campeões!!!

Sempre que posto sobre o AVFC o sucesso é garantido. Maior número de visitantes e uns quantos impropérios a servir de base aos comentários... alguns até completamente fora de contexto pois a minha mãe não liga nada ao futebol!

Low Profile


A direcção do Aeródromo Gonçalves Lobato, em parceria com o Aeroclube de Viseu, vai iniciar contactos com operadores de voos low-cost (baixo custo) e charters para que operem a partir daquela aerogare para países europeus. A Câmara de Viseu estimula a operação alegando que a mesma dará resposta, pelo menos sazonar, ao fluxo de emigrantes e imigrantes da região.

Esta noticia data de 27 Outubro de 2006. Um ano e meio depois tudo na mesma, tudo muito... "low profile"!

Ah, estão à espera que seja mesmo necessário?

O alerta amarelo está aí... Vento e chuva prometem fazer parte do nosso fim de semana. E, a propósito de promessas, o que é feito do Centro Nacional Alternativo de Operações de Socorro a instalar no Aeródromo Gonçalves Lobato?

Sem açucar nem calorias!

Leio nas últimas que Tondela vai avançar com a terceira zona industrial o que são bons sinais sobretudo se comparados com o que a esse nível se passa pela capital do distrito. O concelho tem perdido em emprego, em pessoas, em qualidade de vida, em iniciativas, etc e ao mesmo tempo, adivinha-se que o Centro Histórico vai continuar a definhar depois da criação da área de concentração de bares, junto às margens do rio Pavia. E, ainda não abriram todas as áreas comerciais que foram por aí licenciadas a torto e a direito! Não vejo problema em boas ideias e em novas centralidades, mau é não se equilibrarem as opções e as políticas. Faz-se a rotunda e só depois se descobre o erro? Claro que a seguir dar o bolinho fica meio sem gosto...

22/02/2008

Viseu no seu melhor...

Esta gamei-a no OViseu mas esta outra aqui também está com piada... ora vejam!

No mínimo!

Isto é que dá que pensar!

Na falta do comboio...

A REFER e as autarquias por ela atravessadas vão transformar a antiga linha de caminho-de-ferro do Vale do Vouga numa ecopista. O objectivo é ligar Viseu a Sernada do Vouga. (...)
A REFER e as câmaras de Viseu, Tondela e Santa Comba Dão estão também avançar com um projecto idêntico para o ramal do Dão. No concelho de Viseu, parte do antigo corredor da linha de caminho-de-ferro já foi transformada numa ecopista.
In "As Beiras"

E, dura, dura, dura...

Esta coisa dos Museus está meia encalhada... tanto este, como o outro! Num caso falta de vontade, no outro falta de dinheiro, parece! Num e noutro quem perde é a cidade que continua à espera!

Duas cores, o mesmo efeito!

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), existiam no final do ano passado, no distrito, quase 73 mil empresas. (...) Viseu, cujos 65 fechos representam 0,62% do número total de firmas.
Jornal de Notícias
Aqui está uma prova em que há uma grande diferença entre o país real e o país rosa... E, se quiser pois dá no mesmo, entre o Viseu real e o Viseu laranja...

21/02/2008

Responda se souber

O que está errado na foto?
- O Gil Peres não limpou a lente e a foto está desfocada
- A foto não é do CAF mas sim do Farminhão
- As bancadas estão cheias de público
- O guarda redes é do SCP

Um dia o Pavia!

Pavia... um dia!

Sem grácia nenhuma...

A ex-directora do Visprof - Centro de Formação de Professores de Viseu e ex-consultora científico-pedagógica do Gabinete de Formação do pólo de Viseu da Universidade Católica Portuguesa ou seja a senhora corrida da ESE de Viseu, depois corrida da Universidade Católica de Viseu admitiu hoje aqui a possibilidade de serem encerradas mais escolas na região, depois de uma análise no terreno, a iniciar em Março, juntamente com conselhos executivos e autarquias...
E até vos digo mais, com uma figura assim até eu fugia da escola, nem precisavam de a fechar!

20/02/2008

Dá-me música que eu gosto!

Olha aqui o Piaget também já lançou uma licenciatura em música e se querem a minha opinião aproveitem, os tipos lá são uns "músicos" de categoria...

Falta de visão ou falta de comboio?

Depois de terem perdido o comboio há quem por aqui desesperadamente procure ao menos arranjar uma bicicleta... Porque não seguem o modelo já desenvolvido em muitas cidades europeias em que até é possível levar a bicicleta no comboio? Para quê pedir só a capelinha? Porque não a catedral? É por estas e por outras que assim estamos e pior ficaremos...

Farto de má moeda...

Mas porque raio será que nisto aqui já ninguém me convence? Nem o artista principal nem os críticos de parte a parte?

Não arrepiem caminho, não...

Vinte dos 24 concelhos do distrito de Viseu estão abaixo do meio da tabela num ranking indicador da qualidade de vida, elaborado em 2007 pelo Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social da Universidade da Beira Interior (UBI), que analisou os 278 municípios do continente.
No estudo, que pondera variáveis ambientais, dinamismo económico e social, mercado de habitação e de emprego, equipamentos culturais e educativos, o concelho de Viseu é o primeiro classificado do distrito (mas apenas 63.º no ranking nacional) (...)
in
JN
Bem, que íamos no caminho errado já eu sabia mas com tanta dianteira é que me deixa assustado!

19/02/2008

Ah, rico vinho!

Esta polémica ser à volta da água é de rir... ainda por cima num sitio com tanto vinho bom!

A sério?

- Ouve lá, já tens programa para 15 de Abril?
- Eu não, porquê!
- Porra pá, tu és demais... Não sabes que no dia 15 abre o Palácio do Gelo?
- E então?
- Então? Oh pá... tu tiras-me do sério!

Notas Para Um Tempo Actual


Arre... são mesmo chatos! O livro por acaso não tem até as capas a negro? Queriam o quê?

Olhem, leiam mas é... até porque isto não foi nada baratinho, ok? São notas e notas (de €) para uma viagem sem fim rumo a um futuro (a negro, digo eu)!

17/02/2008

Cão Sim, Homem Não!

Vejam lá se já conheciam esta:
Conta-se que há muitos anos um abastado comerciante viseense que dedicava os seus tempos livres à caça ter-se-á perdido na Serra da Gralheira quando ali caçava na companhia do seu cão. Apanhados por uma tempestade, o comerciante e o cão perderam o rumo para a viatura e a tiritar de frio foram encontrados por um pastor que os levou para a sua enegrecida choupana, onde o borralho da lareira os aqueceu e a malga de caldo os reconfortou. No dia seguinte, já restabelecidos e com a ajuda do pastor lá encontraram o caminho para o automóvel que os conduziu à capital da Beira Alta. Antes de partir o comerciante agradecido convidou o pastor a visitá-lo quando ele fosse a Viseu. O pastor a contra-gosto lá aceitou embora dizendo que raramente ia à cidade Quis no entanto o acaso que passados alguns meses o pastor fosse à terra de Viriato e lembrando-se do convite do comerciante lá se dirigiu a sua casa para o cumprimentar. Com as indicações que o comerciante lhe dera, o pastor, a custo lá encontrou a residência do homem que salvara na serra. Aí chegado tocou a campainha e esperou que lhe abrissem a porta. Segundos depois, a porta abriu-se e a empregada perguntou ao visitante ao que ia. O pastor explicou-lhe então a história passada na serra e pediu para falar com o comerciante. A empregada foi transmitir a mensagem e regressou com a informação de que o patrão não conhecia o pastor. Eis senão quando o cão do comerciante assume à porta e reconhecendo o pastor atirou-se a ele meigamente, lambendo-o, certamente lembrando-se de ter sido aquele o seu salvador naquele dia de tempestade. Perante este gesto o pastor virou-se para a empregada e disse-lhe:
"Muito obrigado, minha senhora. Estou satisfeito. Em Viseu, cão sim – homem não."
José de Castro 2001, pseudónimo de Júlio Cruz, director da Terra Lusitana, uma «Publicação Cultural de Índole Regionalista». No n.º 2, p. 61.

Ao menos de século em século...!

Felizmente uma instituição da cidade, a ESAM, lembrou-se de homenagear uma fígura ímpar da cidade, o político e bispo D. Alves Martins no dia em que se assinala o bi-centenário do seu nascimento, cujo programa consta aqui. Apesar de ter nascido em terras transmontanas (Granja de Alijó, a 18 de Fevereiro de 1808), Alves Martins foi uma figura marcante de Viseu, onde deu nome ao liceu e tem erigida uma estátua, no Largo de Santa Cristina, local onde esteve para ser fuzilado por motivos políticos.
Na estátua, uma placa com duas frases reveladoras da incomodidade das suas palavras: "A religião quer-se como o sal na comida: nem de mais, nem de menos" e "Na minha diocese quero padres para amarem a Deus na pessoa do próximo, não quero jesuítas que vivam a explorar o próximo em nome de Deus".

Como nos lembra o meu amigo AJ esta figura que deveria ser tão grata da cidade passa o resto do ano às escuras!

O blog feito pelos leitores

Viseu tem sido uma cidade a quem tem faltado um projecto consistente de progresso orientado,com origem nas suas forças vivas, amplamente analisado, discutido e participado. Não quero com isto significar que a cidade não se tenha desenvolvido e até mantido um certo ordenamento interno, sem grandes pecadilhos. Mas, infelizmente, hoje em dia não chega! Já antes tinha dito que o espírito reinante é muito conservador, a maioria das vezes só acordando para os problemas de uma forma reactiva, envolvendo-se em míopes questiunculas políticas de ambito local, perdendo energias e desbaratando as boas vontades. É preciso mudar,criar hábitos próactivos, no sentido de uma definição clara de objectivos estruturantes, claros e perfeitamente atingíveis, através de um planeamento estratégico a ser participado e apoiado, no essencial, por todas as forças locais. E depois lutar por eles, junto dos poderes de decisão, mobilizando quem possa ajudar, independente da côr de quem comanda a iniciativa,nunca esquecendo que nessa luta estamos em competição com outras cidades ou regiões, muitas das quais, infelizmente, nos têm levado vantagens irreversíveis! Culpa de quem?
beirão