16/07/2011

Salvem a última quinta da Maria do Céu Mendes!

Salvem a última quinta da Maria do Céu Mendes

Salvem a Escola Superior Agrária

Gosto de morar em Viseu mesmo com o desdém que a câmara municipal trata os espaços verdes da cidade. Olhamos ao Fontelo e, tirando a entrada, o resto é uma mata bonita de passear e difícil de usufruir. No Crasto, autentico pulmão da cidade, a inércia dos proprietários, o Estado contra quem todos vituperam, e a falta de pressão do município transformaram um espaço nobre numa coutada. O Parque da Cidade está em obras eternas e aquelas grades cercearam o interface com o Rossio. O parque da Radial de Santiago parece um oásis no deserto da Mauritânia: seco, sem arvores e sem que se toque no rio que já deu gáudio mas não dá caudal. Por fim sobram a Quinta e a Escola agrárias. Pois bem eu não conheci a D. Maria do Céu Mendes mas tenho tido a paciência necessária para a conhecer. Doou várias quintas à cidade que, qual Cristo na Cruz, ostenta numa série de bairros o nome de quintas. A grande maioria doadas pela Maria do Céu Mendes como a da Escola Agrária onde dos 50 hectares apenas 10 são do IPV. Os outros 40 estão em regime de usufruto. Ao que me dizem os antigos a ideia da doação para usufruto foi para alimentar o Lar de Santo António. O espaço da ESA é o ultimo reduto antes da A 25. É um espaço lindo, com uma bonita lagoa, e ao que me dizem um notável ecossistema, que tem um problema. Deixou-se envolver pelo betão e agora prepara-se para ser retalhada. O novo Plano Director Municipal, feito por quem, dizem-me, planeia há 30 anos o urbanismo da cidade, preparara-se para retalhar a quinta colocando duas estradas a servir o crescimento imobiliário de uma cidade que já tem 1,5 edifícios para cada habitante. Viva! Cada um de nós tem direito a casa e meia mas não tem direito a meia arvore sequer. Os cofres municipais agradecem as taxas, os cidadãos claudicam-nas por vergarem o direito que temos a viver numa cidade ambientalmente sustentável. Eu não quero ir morar para Tondela, onde os planeadores urbanísticos da cidade de Viseu deveriam ir tirar dois cursos: um de qualidade de vida e planeamento e outro de boas maneiras. O resultado destes planeamentos maravilha está bem patente na Praça 2 de Maio e no Parque de Santiago. Somos talvez a única cidade desta dimensão da Europa sem comboio e somos, quase de certeza, a única cidade desta dimensão sem um mercado digno desse nome. Queres legumes? Vai ao hipermercado. Queres fruta? Vai ao shoping, porque nesta cidade valorizar o ambiente, a pequena agricultura e os espaços verdes é bonito mas só para ter aspersores a regar estradas e a debitar quantidades industriais de água no alcatrão. Mais do resto parece crime queremos usufruir de uma cidade com qualidade de vida. Que a podemos ter se não transformarmos o pecúlio do trabalho da Maria do Céu Mendes em betão para casas vazias onde ninguém vai morar. Por mim irei mover o céu e a terra para impedir a aprovação do PDM na Assembleia Municipal. Bem sei que é presidida por um secretário de Estado que disse em Setúbal que, e cito, “este Governo tem as empresas no seu ADN porque só com elas conseguirá criar empregos e desenvolvimento”. Se não for lá pelo chumbo de políticos decentes sempre pode lá ir pelo fósforo, também apelidado de desobediência popular. Em última instância teremos sempre uma acção popular. Sei que já há quem esteja a reunir o dinheiro para a batalha judicial que se avizinha porque a maioria dos políticos que senta o rabo nas cadeiras do Solar dos Condes de Prime não pensa e verga-se. Verga-se ao sim senhor, à hierarquia porque todos temos que obedecer e não que pensar. Quase como em Lisboa, diria eu, tu mandas senão tiram-me o tacho e o emprego dos filhos. Mas, esta madrugada, gente rica, poderosa e conhecedora do legado da D. Maria do Céu Mendes atravessou-se e podemos lutar. É que não há direito. Enquanto noutras cidades se valorizam as pequenas horas, bem hajas Ribeiro Telles, nesta mata-se a quinta, a galinha, os patos e a vinha. Há aves que já nidificam na Quinta da Alagoa quando migram. E há patos que há anos que não erma vistos e que por ali passam.

Resta saber como vão ficar as crianças do Lar de Santo António mas isso será outra conversa. Rasgar a ESA, colocar lá duas estradas e passeios é matar um naco da cidade. Vale mais rasgar o PDM que assistir à destruição da minha cidade em nome de interesses que, não os querendo apelidar de cozinhados numa qualquer mesa de um qualquer hotel, direi apenas esconsos. Esconsos de inteligência, falhos de carácter e idiotas de traço.

Salvem a última quinta da D. Maria do Céu Mendes. Salvem a Escola Agrária e não permitam betão entre duas auto-estradas. Vivem pessoas nesta cidade. Caramba. Pessoas e crianças.

Salvem a última quinta da Dona Maria do Céu Mendes. Salvem a Escola Agrária e não deixem morrer a Quinta da Alagoa.

Augusto Paulo de Santa Ana.
(recebido por email)

14/07/2011

Contos a não perder!

Os "Contos duradouros para jardins efémeros" vão passar pelas Casas do Visconde em Canas de Senhorim, no dia 24 de Julho no jardim da Lira e do Pitum: Cristina Taquelim e Miguel Horta... esperam lá por si a partir das 15h00! Antes vão estar cá pelo burgo na Praça D. Duarte a 21 de Julho pelas 21.30h com a Cláudia Sousa, dia 22 de Julho pelas 18h a Lira Keil e Ana Bento a 23 de Julho pelas 18h o Miguel Horta e a Cláudia Sousa, e por fim a 24 de Julho pelas 18.30h a Cristina Taquelim e a Cláudia Sousa! Não perca!

13/07/2011

Cinema na Praça D. Duarte

Saiba mais aqui!

Festival Aéreo 2011

Voleibol na praia!

A praia é aqui ao lado mas o torneio é por cá no Fontelo, não se enganem!

A "troika" local

Ora expliquem lá esta se souberem! O Vereador do Pelouro Turismo da CMV convida para uma discussão de um tema da maior importância para a cidade, no seio do aparelho partidário do PSD local do quem é também líder concelhio. Para compor o ramalhete o evento tem lugar num local, claro está, sem qualquer interesse na matéria, o Hotel Montebelo.

Não te rales mas não te entales!

Enquanto aqui ao lado, em Tondela, se prepara mais um Tom de Festa que reúne 300 artistas de todo o mundo em palco, prometendo a organização combater a crise "pegando-lhe pelos cornos da desgraça e fazendo da tristeza graça" por cá, a 1 mês da Feira de São Mateus, não há um único sinal do que nos espera naquele certame que já foi um ex-libris da região. Por aqui e por ali, ouve-se falar de uma nova programação que incluirá pela primeira vez um cartaz internacional, de uma nova dinâmica, uma nova imagem, de um novo desenho organizacional mas, Fernando Ruas parece manter-se distante daquele evento que tanto deveria dizer da cidade, como certamente lhe convirá. Depois de a deixar definhar durante um quarto de século entregue ao miserabilismo pimba, à rotina e à falta de inovação foi mercê de tanta critica negativa obrigado a mudanças na liderança da Expovis mas, sem que oficialmente, tenha a Câmara Municipal vindo a público transmitir a nova visão do evento, se é que ela existe, nem desafiado a cidade a envolver-se na mudança. José Moreira, o novo responsável, que tanto quanto se sabe, ali exerce funções não remuneradas, certamente que se vê assim sozinho a pensar um espaço que é de todos, com o peso da responsabilidade de que se correr bem e desta vez chegarem ao famigerado milhão de visitantes, terá ao seu lado o Presidente da Câmara mas, se correr mal a culpa foi da crise e da Expovis que não soube "pegar nos cornos da desgraça e fazer da tristeza graça"!

ET: Acrescento a declaração de interesse que sendo particular amigo do Dr Moreira nem ele me encomendou tal comentário nem mesmo imagina que o faça! Mas para quem vestiu com sacrifício pessoal tal camisola, merecia salvo melhor opinião, outra consideração de quem de direito! A cidade ganharia com isso!

Já precisava!

A Casa Museu Almeida Moreira está a ser reabilitada para se tornar mais atractiva e acessível a pessoas com mobilidade reduzida.

11/07/2011

Na blogosfera local

O Celso a partir do seu cantito ali prós lado do Sátão olha para o que se passa à sua volta e lá vai deixando a sua opinião critica!

Mostra Social

Desde a passada sexta-feira que 18 instituições de solidariedade social de Viseu se instalaram nas barraquinhas do Rossio para mais uma Mostra Social, que vai na terceira edição. Certamente que até a pessoa mais distraída se apercebeu da realização da mostra, mas poucos foram os que se interessaram por saber quais os projectos, as actividades e os objectivos que movem cada uma das instituições presentes.

Quem não tem cão, caça com gato!

Vá lá, não se queixem, há males que vêm por bem! Já se esqueceram do que aconteceu à SAD com a Gestifute?

10/07/2011

Perguntar não ofende!

Além da pertinente questão sobre o paradeiro dos candeeiros do Mestre Malho  já agora acrescente-se a necessidade de se saber do destino das pedras centenárias que foram removidas com as obras de requalificação da Rua Direita ou do magnifico portão do antigo mercado?

O melhor do Dão!

O Grande Vinho do Dão da colheita 2010 foi eleito o melhor vinho daquele região. O vinho em questão é de Corga, em Penalva do Castelo, e é produzido por Virgínia Marques Barbosa Formoso.

Pimenta no cu dos outros para mim é refresco!

O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses, Fernando Ruas, disse que as autarquias rejeitam ser os "bodes expiatórios" da crise que afecta o país e dos erros cometidos pela administração central. (..) No discurso de encerramento do congresso extraordinário da ANMP, que decorreu em Coimbra, o dirigente considerou que "não há qualquer razão para novos cortes às autarquias", atitude que "iria provocar um generalizado sentimento de rejeição e injustiça". "A administração local não contribuiu, em nada, para o défice que hoje se verifica. Os municípios, fruto de uma gestão transparente e rigorosa, conseguiram andar quase sempre um passo à frente dos desígnios do Governo nesta matéria, apresentando um superavite de 70 milhões de euros", considerou.