11/04/2012

A cidade não é um sítio para viver; a cidade Vive-se!

Já aqui na tribuna se falou de ruas desertas e em tempo de vésperas aponta-se o trinómio comerciantes/Associação Comercial/Câmara Municipal como razão e adianta-se ajustada explicação embora em resumo se possa dizer que há quem em eleições anuncie que Viseu somos todos nós e durante o mandato a faça só para alguns! Por essas razões e não só não posso deixar de estar em absoluto acordo com o que o amigo Tiago Nascimento escreveu no seu mural do Facebook "o fecho da Pastelaria Horta é mais um triste episódio de um longo processo de definhamento da cidade de Viseu e do modo como ela se relaciona com os seus habitantes. Horta, Rebelo, Casa da Boneca, Brinca são referências da vida dos viseenses e o seu fecho não será apenas consequência de rápidas transformações económicas que os comerciantes não souberam e não puderam acompanhar. São o reflexo de uma "gestão de cidade" em que os valores se perderam, o humanismo foi desprezado e as pessoas foram desvalorizadas. Há a virtude de fazer obras e deixar as contas a verde. Mas uma cidade não é um sítio para viver; a cidade Vive-se!"