13/09/2012

Prevenir para não ter que remediar!

De repente, passado que foi o pesadelo todos parecem ter acordado para a realidade e vai de laudar os Bombeiros. Do Sr Bispo de quem a bênção é sempre bem vinda, a Pedro Alves que por gostar tanto de ajudar os Bombeiros se demitiu da Direcção dos mesmos, todos de forma geral louvam o seu esforço, abnegação e trabalho. Acontece que Protecção Civil é antes de mais prevenção e quem dá as missões tem o dever no mínimo moral de dar os meios. Ir de camisa de marca marcar presença até pode ficar bem e mostrar a coerência de quem não gasta em si o que não gasta com outros mas há responsabilidades que não devem ser descuradas nem sequer delegadas noutros. E é no antes que se planeia o depois e por isso, escrevam o que escreverem não alivia a responsabilidade também legal de Fernando Ruas enquanto responsável máximo pela Protecção Civil Municipal. Pode até não querer gastar um euro em tão fulcral actividade mas a revisão do Plano Municipal de Emergência de acordo com a resolução 25/2008 da comissão nacional de protecção civil (artigo 10º, n.º 3, conjugada com a lei de bases) era uma obrigação não só moral. E aqui chegados, pergunto: os leitores acham que o PME foi revisto?