29/04/2013

Cenas da Ecopista do Dão!

A obra “O Ramal de Viseu – Linho do Dão” da autoria de António Martinho e Carlos Lunet revela a importância do comboio para o desenvolvimento económico da região, as dificuldades sentidas durante a sua construção e o seu encerramento, quase 100 anos depois da sua abertura. O livro foi apresentado no sábado passado na antiga Estação de Tondela e estiveram presentes os presidentes das câmaras de Santa Comba Dão e Tondela!
in Diário Viseu

11 comentários:

  1. Anónimo16:20

    Esteve combinada a apresentação para Viseu, mas à última da hora, sem aviso, faltou a estação!

    ResponderEliminar
  2. Anónimo17:00

    Não podia sem em Viseu. Em Viseu Ruas mandou demolir a estaçã que trocou por uma rotunda. Vistas curtas.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo21:11

    Uma vez que Fernando Ruas não compareceu, nem apareceu ninguém em representação do município viseense, parece-me que deveriam ter adiado a apresentação do livro para melhor ocasião.
    Aqui houve gato????

    ResponderEliminar
  4. Anónimo22:16

    Ramal de Viseu - Linho do Dão? Não será vinho do Dão? Santa Comba, Tondela e qualquer coisa...lol

    ResponderEliminar
  5. Anónimo19:48

    O Engº Engrácia Carrilho que antecedeu Fernando Ruas pensava fazer uma passagem desnivelada em vez da rotunda da fonte cibernética. A Estação da CP não faço ideia mas talvez fosse desmontada e reconstruída noutro local e viesse a ter uma nova utilidade.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo09:06

    Será que a CM Viseu não foi porque o autor do livro é o falecido pai do Secretário da CIM? Se isso for verdade, como é possível isso acontecer? Quem paga o livro? CIM? Para quem vai o dinheiro? Para o secretário da CIM? O Dr. Carlos Marta devia ter cuidado com estas coisas.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo12:24

    Não sei quem pagou a edição mas é habitual as câmaras patrocinarem a edição de "lixo", por amizade ou incapacidade de avaliar o valor dos livros.O trabalho publicado tem real valor e utilidade? Onde se poderá adquirir ou consultar? quanto custa?

    ResponderEliminar
  8. Anónimo14:27

    É o habitual compadrio entre políticos. Quem paga somos todos nós, através dos impostos. Mas Viseu também pagou ou foi só a CIM? Se foi a CIM, também as outras camaras pagam: Nelas, Mangualde, Vouzela, etc, porque todas fazem parte da mesma organização. Será que não houve uns comes e bebes no final? Só faltava isso...Paga Telmo...Paga Ruas.

    ResponderEliminar
  9. Anónimo00:03

    O Jornalista Jose Guilherme Lorena,no desemprego está a escrever a biografia do Dr Fernando Ruas.Quem vai pagar o livro ? o Dr.Ruas do seu bolso.ou é com os dinheiros dos contribuintes da C.M.de Viseu?

    ResponderEliminar
  10. carlos Alberto H. F. Lunet19:03

    Para o 3º anónimo (21:11): O facto de F.R. não ter comparecido, não é relevante. O mesmo já não digo de a CMV se não ter feito representar, como era esperado, por um dos seus vereadores (pelo menos aquele a quem inicialmente foi apresentado e oferecido o trabalho para publicação). Adiadar a apresentação, era o que vinha sendo feito, por várias vezes, desde Janeiro.

    Para o 6º anónimo (09:06):Sou autor do trabalho em questão e, tanto quanto sei, não sou o falecido pai do secretário da CIM. Assim sendo a sua insinuação é abjecta, ignóbil e ... "anónima". Quanto ao resto, informe-se junto das respectivas câmaras ou da CIM.

    Para o 7º (12:24) e 8º (14:27) anónimos: Se alguma vez o seu "lixo" foi premiado por alguma entidade pública, o problema é seu. Quanto à presente edição, esclareço-os que teve o aval científico do Centro de Estudos Interdisciplinares Século XX, da Universidade de Coimbra. Sabem o que isso é e o que significa?

    Porque fui educado a assumir a responsabilidade daquilo que digo, dou a cara.

    CARLOS Lunet

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Carlos Lunet, agradeço em nome pessoal o esclarecimento que deixa e naturalmente que não poderei de trazer à luz da verdade esta sua imprescindivel explicação.
      Cumprimentos

      Eliminar

Obs: Os comentários dos leitores não reflectem as opiniões do Viseu, Senhora da Beira