11/08/2013

O blog feito pelos leitores

Exmo. Sr. Coronel Fernando Figueiredo,

Agradeço a forma como exerce a sua cidadania pelas nossas terras de Viriato. Umas vezes concordo com a forma como o faz, outras nem por isso. Contudo, o exercício da cidadania é mesmo assim.
Se há algo certo, esse é o facto do seu Blog ser lido por muita gente e tratar-se de um incómodo também para muitos. A vigilância que mantém gera, pelo menos, algum cuidado na forma lúgubre como muitas vezes o poder é exercido pelos políticos de pacotilha que Viseu ainda vai tendo.
Falemos agora do caso do Dr. Guilherme Almeida. Com a experiência que tenho de ensino superior, é óbvio que as páginas divulgadas por V. Exa. são consideradas plágio e denotam falta de ética, quer na substância, quer na forma. Aliás, permita-me que lhe diga que se trata de um plágio muito grosseiro, já que nos anos que levo de ensino superior testemunhei aldrabices bem mais refinadas.

Quanto à totalidade da tese poder vir a ser considerada plágio, disso já não terei tanta certeza, dado que não tive acesso aos trabalhos em análise.
Como saberá, há muitas formas de plagiar e uma delas é a de proceder à leitura de artigos científicos estrangeiros, traduzir as suas ideias para português, escrever teses ou livros e omitir as referência aos respetivos autores. Nestas circunstâncias, desmontar este emaranhado de aldrabice é uma verdadeira tarefa herculeana. Contudo, não é impossível para quem tenha paciência. Eu já vi que a tem e eu, em devido tempo, também a terei, nomeadamente quando a poeira assentar. Mesmo que o ISCTE venha dizer que não se trata de um plágio, dada a ausência de legislação específica para tratar este tipo de crime público, quero dedicar-me à análise das mesmas.
Com esta mensagem pretendo transmitir-lhe que há mais gente que está atenta a este caso. O assunto não está e nem poderá ser esquecido. Nem este nem o da Dra. Clarinda, a qual tem conseguido passar por entre os pingos da chuva. Acredite que algo me diz que a sua tese deverá também ser merecedora de uma atenção aprimorada.
Infelizmente, quando questionado sobre o assunto supra, o Sr. Presidente do IPV optou por assobiar para o lado. Acredito que não o tenha feito por mal, até porque é pública e notória a forma como progrediu na carreira politécnica. Assim, é compreensível, embora não desculpável dado o lugar que ocupa, as afirmações que proferiu. Desculpo-o também porque acredito solenemente que ele entenda a investigação científica como um verdadeiro mistério, para o qual já nem tem paciência, nem disposição para a sua descoberta.
Por mim, estes dois "reputados cientistas do marketing das cidades" poderão ser eleitos para o que quiserem. Uma coisa lhe garanto, demore o tempo que demorar, e em devida altura, irei deter a minha atenção nas suas três primorosas obras e, caso nalguma delas detecte algum plágio, nomeadamente de autores estrangeiros, queira acreditar que o contactarei a si, bem como às vítimas, i.e., aos autores em causa que, ao contrário dos portugueses, costumam ser bastante rigorosos e sedentes de justiça.
Os melhores cumprimentos.
(Leitor anónimo)