12/09/2013

Na TV online, tal qual deveria ser a Assembleia Municipal

Ah, para cá não servia?

Investimentos criam mais 200 postos de trabalho, diz a noticia o que nos tempos que correm é significativo. Com noticias destas cá por Viseu, confessem lá, não gozavam também o pagode?

10/09/2013

O Compromisso com a Assembleia Municipal

A Assembleia Municipal é por excelência o órgão colegial que melhor reflecte a representatividade democrática concelhia. É nesta venerável casa que cidadãos e partidos, eleitos e eleitores, exercem o seu direito de expressão sendo a sua visão e propostas um inestimável contributo para o progresso do concelho; a todos eles (cidadãos, eleitos e eleitores), sem excepção, devemos estar gratos pelo seu contributo. Apesar do actual sistema autárquico, e consequentemente a opinião pública, estarem focados no Presidente do Município e seu executivo, historicamente, a Constituição (Artigo 251.º) e demais legislação (por ex. a Lei nº 169/99) atribuem às Assembleias Municipais o papel de principal órgão autárquico do município, este é o órgão deliberativo do município. Entre as suas atribuições e competências encontramos o acompanhamento e fiscalização do executivo camarário, a aprovação de diversos documentos relevantes como o orçamento municipal ou o plano anual de actividades e não menos importante o estabelecimento de taxas e regulamentos.

Curtas das boas!

A Ana Seia de Matos lembra-me e bem por email que "este ano foi prolífico dentro da área das curtas metragens. Para além do projecto premiado, "A Corda", elaborado em conjunto com L Filipe dos Santos, Luís Belo e Tiago Ribeiro,  para o 48h Short Media, foram produzidas duas outras curtas metragens a título pessoal. Uma ganhou o prémio de melhor curta experimental no Festival Vistacurta deste ano e pode ser vista aqui e outra curta foi exibida no Shortcutz Xpress Viseu no passado dia 6 de Setembro e pode ser vista igualmente aqui.

Pelos vistos não é mas devia ser, caro José Antunes!


José António Antunes

09/09/2013

Pouco Politécnico!

O passado ano académico o cenário já foi de algum alerta apesar de no final o IPV reconhecer que a situação ainda assim não merecia preocupação de maior. Este ano os números nesta primeira fase de acesso ao ensino superior devem merecer atenção redobrada. O número de vagas reduziu e a percentagem de acesso nesta fase ronda os 39% o que deixa o IPV na cauda do ensino superior e se nada for feito, uma das mais prestigiadas Instituições da região arrisca-se a ter pela frente um futuro pouco risonho.

Noticias paroquiais e outras que tais!

Mais uma paróquia nasce em Viseu o que obrigará a actualizar o livro de cheques da Autarquia mas onde se parece tornar cada vez mais dificil ser padre é nesta paróquia!