24/01/2014

Correio de Barrelas!

Hoje, Aquilino é marca que a todos serve. Terras do Demo é título do seu romance, publicado em 1919, cuja intriga decorre entre Serras da Lapa e Nave, pelos concelhos de Sernancelhe, Vila Nova de Paiva e Moimenta da Beira. No seu prefácio, dedicado a Carlos Malheiro Dias, o escritor refere: "teve em mira este trabalho pintar dessas aldeias montesinhas que moram nos picotos da Beira, olham a Estrela, o Caramulo, a cernelha do Douro e, a norte, lhes parece gamela emborcada o Monte-Marão. O vale, que as explora, trata-as despicientemente por Terras do Demo. Sem dúvida, nunca Cristo ali rompeu sandálias, passou el-rei a caçar ou os apóstolos da Igualdade em propaganda."
Surge agora Almeida Henriques, que a não ser Cristo nem rei, será apenas o "apóstolo da propaganda" e, já perdida a CIMVDL, virado para o Marão... O Rui de Vila Real que se cuide e o Douro, Norte e Sul que se acautelem!