24/03/2014

Será a Justiça cega?

Caros leitores, a páginas tantas lê-se na sentença:
(...) Também a imagem de fls 426 dos autos, na qual o autor é associado pelas vestes, pose e dizeres a um Presidente da Câmara da Idade da Pedra, se mostra ofensiva, da imagem, reputação e honra do autor. De facto, aí surge conotado com um homem primitivo e bruto, daí se retirando que não terá assimilado os valores culturais e civilizacionais que fazem parte do património humano.(...)
Agora, para que percebam da minha "má fé", peço que façam o que aparentemente a senhora juíza foi incapaz de fazer. Cliquem aqui, aqui, e aqui para que fiquem a saber afinal quem é o autor da proeza! Estão esclarecidos?

Segue-se agora o recurso mas, aproveito para agradecer a solidariedade do Viseu, terra de Viriato, do Indo eu, da Tribuna de Viseu e das minhas testemunhas, Joaquim Alexandre, Cilio Correia, o Beirão, Fernando Paulo Baptista, os deputados Hélder Amaral, José Junqueiro e Acácio Pinto além dos muitos amigos e leitores que, tal como eu, defendem uma sociedade onde a liberdade de expressão seja também a expressão da liberdade!