04/05/2016

Seria cómico se não fosse trágico!

Almeida Henriques, salvo melhor opinião, não se tornou conhecido por ter muitas e boas ideias, para isso foi buscar o visionário Dr. Sobrado. Chegado ao burgo e convencido que em terras de cegos quem tem olho é rei, logo o assessor pau para toda a obra, que é um tipo moderninho e sofre dos defeitos de todos os tipos moderninhos, tratou de tratar tudo como sendo uma questão de comunicação, apresentação ou estilo, sendo que o conteúdo é irrelevante,e  assim, a exemplo de quase todas as capitais de distrito do país, aderiu à street art por encomenda como se fosse a última coca-cola no deserto da modernidade, não percebendo que está a ser arrastado na onda pacóvia e pindérica em que todos os pós-modernos e novos ricos são apanhados. Que Almeida Henriques não é forte em questões de gosto, já todos percebemos, por isso a cidade exige um esforço redobrado ao Dr. Jorge Sobrado. A recusa da intervenção no prédio da caixa é um bom momento para o líder da autarquia Jorge Sobrado parar e pensar. Será que festas, vinho, street art fora do contexto local, tuk tuk´s e muita propaganda é o melhor caminho para 2017? Olhe que o Dr. Ruas anda atento e o povo gosta de contas direitas.