26/01/2019

Ajudas criativas!

Imaginem que pretendem passar para a categoria dos empreendedores e criar a vossa empresa em Viseu. Suponhamos ainda que estamos no ano de 2011 (sitio na Internet) e a AIRV cede um espaço por exemplo a sala 2 A-B para o efeito na sua incubadora, indo assim ao encontro do interesse das partes. Até aqui nada a assinalar antes pelo contrário. Iniciam a vossa actividade, apostam-se no vosso core business e a facturação começa a ter expressão nos primeiros anos de actividade o que também é sinal de vitalidade da empresa! No Portal Base conseguem inscrever 36 contratos o que vos dá um valor acima do 1,5 milhões de euros (1.527.482,83€). Vão pois cumprindo o objectivo de qualquer empresa, aumentar os proveitos e reduzir despesas. Vão ganhando nome e surge então mais uma oportunidade de nova presença em mais uma incubadora, que o mesmo é dizer, custos reduzidos senão quase nulos. É de aproveitar, e assim tem-se a sede num local e os escritórios noutro! Alguns ainda se queixam, outros afirmam não perceber onde começa a empresa e acaba o executivo mas logo se calam e desta forma fica-se mais próximo do centro de decisão, acrescenta-se ao negócio novas valências e novo desafio, a internacionalização, sendo que até o FEDER apoia estas iniciativas. Madrid é perto e bom caminho e nada como aproveitar a existência do pavilhão de Viseu e enquanto se explica a história da cidade a "nuestros hermanos" dá-se a conhecer a área do turismo temático da empresa. Todos ganham neste cenário... todos?

Comigo sim! "Sem migo" não!

O Presidente da Câmara de Viseu diz que comunidade intermunicipal "não tem uma gestão estável" e nem precisa de explicar qual é a solução para que tal não aconteça! Todos nós a conhecemos!

25/01/2019

De antologia!


O pasquim local noticia que Arlindo Cunha é um nome consensual para as legislativas por parte do PSD Viseu. Um nome forte, Touriga Nacional e umas rezas à Santa da Ladeira são sempre boas apostas!

24/01/2019

Inqualificável

Viseu promover-se no mercado espanhol é louvável e desejável!


Um director da Viseu Marca acompanhar o projecto é aconselhável e razoável.


Os vinhos expostos que sejam do interesse e propriedade desse director é muito questionável e criticável!


23/01/2019

Viseu lá fora!


O prestigiado “Germanisches Observatorium der Folklore” considerou a realização do Europeade 2018 em Viseu a melhor organização dos últimos dez anos. Numa tradução livre, o jornal alemão cita a última reunião da organização Europeade onde o trabalho da cidade de Viseu a quem se referem como a melhor cidade média de Portugal foi louvado e apontado como referência para a 56ª edição que vai ter lugar em Frankenberg, Hessen na Alemanha. A noticia continua dando os parabéns à organização viseense referindo que será a convidada principal da cerimónia de abertura no dia 17 de Julho para a entrega de uma distinção especial para os seus habitantes que tão bem acolheram o folclore e a cultura da Europeade

22/01/2019

Anti Groucho Marx



Viseu é, por força de diversas circunstâncias, a mais pesada das quais a sua história, uma cidade conservadora composta essencialmente por gente que defende valores tradicionais como a honra, a modéstia e a amizade. Mas Viseu também tem as suas figuras, aqui nados ou aqui politicamente instalados com a família e tendem a deixar marca, ou seja, Viseu marca. Por estes dias tem sido causa de falatório o nosso anti-Groucho Marx.  Mas, perguntarão então, quem é esta figura? Já lá chegaremos! Ora, Groucho Marx afirmava que nunca faria parte de um clube que o aceitasse como sócio. O "nosso" Anti-Groucho faz toda a questão em pertencer a um clube que não o deseja como sócio. Vem isto a propósito do que se tem desenrolado nos salões do Clube de Viseu, instituição meritória frequentada por Viseenses com todos os predicados acima mencionados.

Vamos à história. Jorge Sobrado, portuense de nascimento, evangélico de religião, vereador por nomeação, ambicioso por feitio, paraquedista politico em Viseu, tem por mais recente desiderato ser sócio do Clube de Viseu.

O Clube de Viseu, espaço reservado a sócios (e seus convidados) manifestou de forma expressiva, através da Direcção, o seu desejo de não receber Jorge Sobrado na condição de um dos seus. Se as gentes da cultura viseense, que pouco o apreciam, o têm de receber por obrigação profissional, as gentes do clube não sentem essa necessidade e querem como sempre, separar politica de associativismo como tem sido timbre daquela secular instituição.

No entanto, o Presidente de facto, Jorge Sobrado, não é homem de aceitar um não e a sua ambição politica não lhe permite uma existência modesta. O homem desceu do Porto a Viseu com a missão de iluminar a vida e salvar a alma, através das suas citações bíblicas e culturais, a todos os Viseenses. Vai daí apoiado por um interessado causídico conhecido da cidade, a quem alguma escondida agenda ou porventura outra relação especial obriga a tal compromisso, faz nova investida tentando forçar a sua entrada triunfal no Clube, obrigando a que numa Assembleia Geral Extraordinária os sócios se pronunciem sobre a inquestionável decisão da Direcção. 

Mas o que leva um homem a querer pertencer a uma agremiação que o recusa? Será uma questão de baixa autoestima ou apenas ambição desmesurada aliada a um projecto de poder pessoal assente no cargo político que ocupa (movendo-se entre as gentes da política, da cultura e das associações)?

Por outro lado, o que leva a aceitar tão persistente apoio, embora minoritário, entre um núcleo de sócios do clube contra a vontade da larga maioria e depois de vetado numa primeira instância? Para quem não tem vergonha todo o mundo é seu.

Por fim, a actual direcção do clube, que ao que consta já terá sido alvo de pressões e ameaças por parte do candidato e do proponente, e os restantes sócios não se sentirão desautorizados em caso de adesão do "nosso" candidato a membro? Se de facto se importa tanto com o bem estar e qualidade de vida dos viseenses como afirma nas suas verborreias e repetidas imersões culturais não o preocupa que, com a sua adesão, o Clube ganhe um associado e perca uma dezena dos antigos consócios?

A verdade é que os sócios, como bons Viseenses, numa atitude tipicamente beirã dificilmente deixarão passar em claro uma situação destas. Dia 31, os sócios do Clube devem dizer claramente se mantêm as tradições e o ponto de honra dos estatutos de que “é expressamente proibido a realização de reuniões ou manifestações de qualquer tendência ou significado político ou religioso” ou se, pelo contrário, aceitam que a próxima sede de campanha de Jorge Sobrado seja aquela que ontem foi sede do "Grémio de Viseu" e hoje é do "Clube de Viseu". Eu, por mim, não tenho dúvidas!


A vaidade tem que se lhe diga!


Se Groucho Marx nunca faria parte de um clube que o aceitasse como sócio o Presidente Sobrado faz questão em pertencer a um clube que não o quer como sócio.

João de Almeida, viseense e músico!