16/12/2019

Se ainda lhe resta alguma honorabilidade suspende o mandato! É assim que se vêm os homens, os que o são!

Já lá vão uns bons anos desde que, por formação e dever de cidadania, e de tanta vez apontar o dedo ao que ia mal na cidade, que o poder instalado da Praça da República me fez “malhar com os ossos no Tribunal”.

Nessa altura, a Justiça depois de vencida na 1ª instância pelo compadrio local ganhou a batalha na Relação, arquivada a queixa acabando por dar um bigode ao queixoso e eu a chorar o muito dinheiro gasto no contencioso, o meu que tirei da boca dos meus filhos e o público que o autarca usou dos cofres camarários. Os acólitos e os apaniguados esses não esperaram pela presunção da inocência e rapidamente trataram de ignorar o meu percurso como cidadão e profissional julgando-me na praça. A vida dá muita volta e o karma é fodido!

Menos treta, mais obra! Menos município, mais Viseu

Aproxima-se mais uma discussão do orçamento municipal e das chamadas grandes opções do plano para o ano de 2020.

O panorama actual da situação financeira da autarquia, pese os esforços reiterados do gabinete de propaganda da edilidade em negar sistematicamente a realidade, o facto é que números são números e até na contabilidade da mercearia, se as despesas são superiores às receitas, o resultado é negativo.

Sendo preocupante o descalabro do estado das contas do município, mais ainda o é porquanto não se vislumbra resultado palpável dessa incompetente gestão. Quase 100 milhões de euros ano são executados sem que obra se registe, sem que a vida dos viseenses melhore significativamente em consequência da despesa pública. Não será a “modernaça” casa de banho dos canídeos ou as inúmeras e imersivas experiências do marido da directora do Viseu Marca a fazerem a diferença na vida dos viseenses. Quando muito preenchem-na, ao mesmo tempo que alimentam um séquito instalado à volta dessa municipalização da vida pública, mas não a tornam sustentável sem esse peso no bolso dos contribuintes viseenses.

E a despesa a crescer, a crescer, a crescer…

O Alexandre Azevedo Pinto colocou na sua crónica uma tabela que sistematiza os valores de Receita e de Despesa executados em cada um dos anos entre 2014 e 2018 pela autarquia de Viseu e que mostra que a Despesa está a crescer a um ritmo 3 vezes superior do que aquele a que a Receita cresce.



Como não tardará muito a que o gabinete de propaganda do Rossio venha explicar que os números estão ao contrário acrescento aqui a mesma leitura em gráfico para que poucas dúvidas fiquem nesta matéria.


É fácil de perceber que quem governa assim uma casa não pode continuar a merecer a nossa confiança.