05/12/2008

Cortesia da RTP

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) convocou para 10 de Dezembro - data em que se assinala o 60.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem - uma vigília de apoio à jornalista Maria João Barros, trabalhadora da RTP na delegação de Viseu, a quem desde finais de Agosto não são atribuidas quaisquer tarefas profissionais.

No jornal estão no Nacional


Fazer orelhas moucas...

CADA uma que parecem duas...

Rico par de Brotas!

Aqui fica o primeiro percurso:
Como chegar à Sé?
Avançe a partir da rotunda 24 se vem pela A25, depois siga 16 - 18 - 32 - 14 - 21 - 39 - 7!
Se vem pela A24 então siga 133 - 78 - 44 - 33 - 15 - 22 - 39 - 7.
Importante na cidade: Contorne sempre pela direita!

04/12/2008

De boas intenções está o Inferno cheio

O secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, Fernando Serrasqueiro, andou pelas ruas de Viseu, a visitar alguns comerciantes, os que aderiram ao programa MODCOM, um Sistema de Incentivos à Modernização do Comércio. (...) De forma a atrair pessoas para as ruas e para o seu comércio, Fernando Serrasqueiro apela à localização de lojas âncoras nas ruas de forma a toda a zona a beneficiar com isso e deu o exemplo do Chiado, em Lisboa. (...) Fernando Serrasqueiro apela á mesma fórmula para a cidade de Viseu e adianta que, a par da Rua Formosa, onde encontrou "bom comércio e com projectos dignos de qualquer capital europeia, também para ali podem ser criadas não só lojas âncora como também um serviço que atraia muita gente, como é o caso da Loja do Cidadão"."
in
DRegional

Viseu no Centro de Portugal

Finalmente a RTDL assumiu nova imagem!

Sinal de crescente insatisfação

Quase dois mil alunos das três secundárias de Viseu concentraram-se hoje no Rossio, frente à Câmara Municipal, num protesto que incluiu arremesso de ovos, bolos e maçãs e, segundo estudantes, a utilização de gás pimenta.
in Lusa

Viseu na net

Há mais Viseu na net aqui... na religião!

01/12/2008

O Bispo aqui ao lado...

É confrangedor ver homens idosos, para além dos setenta, que toda a vida trabalharam duramente, estender agora a mão à caridade. Tenho-os encontrado nas imediações dos centros de saúde, das farmácias e pelas ruas onde também passo. São os remédios diários e necessários, que levam metade da magra pensão e obrigam a fazer contas em dois termos permanentes e
irrecusáveis: pão ou remédios? Por tudo isto, neste ano de 2008, para que não se pense que estou raciocinando fora do tempo, choca-nos ver os ordenados astronómicos de uns e as migalhas cada vez menores com que outros têm que se contentar. .. ou se revoltar.
Quanto custa uma consulta de especialidade que, passados meses ou anos de espera, acabam por atirar para um médico particular? Quanto custam as novas lentes dos óculos, de há anos à espera de substituir as velhas que já só agravam a situação, e que tem mesmo de ser agora para prolongar um pouco a esperança de não ficar arrumado na noite da sua escuridão, que é também a do seu possível desespero? Pobres dos pobres, cada vez mais pobres. Injustamente.
A mão estendida que ao longo de anos empunhou uma ferramenta, é uma bofetada no rosto de quem governa, de quem se revolve no supérfluo, de quem estraga o que sobra e não olha para quem precisa. A sociedade gera pobres, sempre que ao lado dos pobres há ricos insensíveis que se banqueteiam, e cidadãos amorfos que sossegam a sua consciência, dizendo que sempre assim foi.
António Marcelino, Bispo emérito de Aveiro

És mesmo um mamarracho!



Donde quer que se olhe... lá está ele!


A minha cidade natal

A rua Alexandre Lobo, uma das mais movimentadas da cidade de Viseu, com várias lojas comerciais não vai este ano ter iluminação natalícia. Melhor, terá apenas dois a três enfeites luminosos, junto ao largo General Humberto Delgado. Os comerciantes alegam dificuldades económicas para não assumirem encargos superiores a 100 mil euros por estabelecimento.
in
JN